O documento foi assinado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto santos Silva, que chegou hoje a Angola para uma visita de trabalho de três dias, e pelo seu homólogo angolano, Georges Chikoti.

Segundo Augusto Santos Silva, o protocolo vai permitir o relançamento de novas áreas de cooperação.

Já o chefe da diplomacia angolana sublinhou que há muito trabalho feito e muito ainda fazer, com vantagens para os dois países.

Augusto Santos Silva destacou a realização de vários contactos ao nível dos secretários de Estado das Relações Exteriores, cuja intensidade dos trabalhos mostra bem “a densidade e a excelência das relações”.

Contudo, esses contactos devem ter resultados concretos, sublinhou o ministro, citando as áreas económica, científica e tecnológica e a formação diplomática.

Relativamente à área económica, o ministro disse que Portugal se revê nos objetivos de Angola.

“No nosso ponto de vista, as boas relações económicas são as que geram benefícios para ambas as partes. Portanto, a desigualdade nas relações, seja uns a exportarem muito mais que os outros ou investirem mais ou retirarem vantagens, deve ser evitada. Pelo contrário, deve haver parcerias de relacionamento económico mutuamente vantajosas”, frisou.

O governante português acrescentou que o programa de diversificação económica e a aposta na agricultura, no setor agroindustrial e agroalimentar, constitui um campo de cooperação muito importante.

A cooperação científica, tecnológica e do mar é outra da área em que os dois países têm trabalhado, salientou o chefe da diplomacia portuguesa, dando o exemplo da confirmação por Angola da a presença na Conferência Internacional, em abril, nos Açores, em que será feito o lançamento do Centro de Investigação sobre questões de clima, oceano e espaço, promovido por Portugal.

“Sabemos também que vai haver cooperação entre os dois países no que diz respeito à museologia da ciência e já há muita cooperação entre os nossos dois países , no que diz respeito ao ensino superior”, disse.

O ministro disse esperar que a futura visita do primeiro-ministro português a Angola permita a assinatura com o de um programa executivo de cooperação bilateral entre os dois países, “faltando apenas afinar aspetos relativamente secundários do programa que já está em curso”.

Sobre a cooperação na área da formação dos diplomatas, Augusto Santos Silva considerou que está “em bom caminho”, salientando que essa tem sido uma questão tem vindo a ser colocada na relação entre os dois ministérios.

“Do nosso ponto de vista, [há] toda a disponibilidade para colaborar nessa área muito importante da formação diplomática” e o objetivo é “integrar todos os vários domínios de parceria de cooperação que existem entre os nossos dois Estados, num mecanismo de contacto com o formato de uma Comissão Mista”, disse.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.