Ao longo dos 22 anos, "Portugal no Coração" possibilitou a "840 pessoas, incluindo as 15" que integram o programa deste ano, regressar a Portugal, referiu à agência Lusa Luís Oliveira, da Fundação INATEL.

"É muito importante e gratificante organizar este programa. É uma parceria muito feliz, muito gratificante conseguirmos trazer todas estas pessoas a Portugal", declarou Luís Oliveira.

Luís Oliveira notou que "Portugal no Coração" é "um programa muito marcado pelos afetos e pelo carinho" e que constitui, "na maioria dos casos, se não em todos os casos, a única oportunidade que estas pessoas têm para regressar a Portugal".

Na edição deste ano do "Portugal no Coração", os 15 emigrantes do continente americano, o mais novo com 69 anos e o mais velho com 83, cumpriram um programa que os levou de Oeiras a Vila Nova de Cerveira, passando depois por Santa Maria da Feira, Foz do Arelho e Lisboa.

Os emigrantes estão radicados há mais de 50 anos na Argentina (Buenos Aires), no Brasil (Rio de Janeiro e São Paulo), Estados Unidos da América (New Bedford e Boston) e Venezuela (Caracas).

O programa "Portugal no Coração" é promovido pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, pela Direção-Geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas, pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, pela Fundação INATEL e pela TAP Air Portugal.

Emigrantes no continente americano revisitam Portugal 25 anos depois

A estada em Portugal dos emigrantes portugueses em Argentina, Brasil, Estados Unidos e Venezuela, que termina hoje, só foi possível através do programa Portugal no Coração, como sublinhou Francisco Joia, emigrante em New Bedford, a uma hora e meia de automóvel de Boston, no estado norte-americano de Massachuchetts.

"Sem esta oportunidade, era um bocadinho difícil vir cá", declarou Joia, de 70 anos, natural de São Nicolau, Porto, junto ao Oceanário de Lisboa, no Parque das Nações, etapa final de um viagem em que passou por Vila Nova de Cerveira, Oeiras, Santa Maria da Feira e Foz do Arelho.

Desde 1988 que Francisco Joia não pisava o país natal e o que viu durante os 12 dias impressionou-o.

"Portugal está virado, como do dia para a noite. Está grande, uma maravilha", sustentou, revelando que o que viu "dá desejo de voltar", embora não seja "para viver".

É que frisou ter "a família, com os netos, e a vida feita" em New Bedford, para onde emigrou em 1977, para abraçar a profissão de pescador, a qual lhe proporcionou "ganhar bom dinheiro".

"Em 1966, fui lá passar férias, para ver aquilo. Depois, tinha lá os meus sogros, o meu sogro foi numa 'tournée' lá cantar. A minha cunhada foi para lá, tornou-se americana e chamou a minha mulher. Fui atrás da minha mulher, com um contrato de trabalho", lembrou.

Joia sublinhou que não está arrependido por ter emigrado e realçou que a comunidade portuguesa em New Bedford "está bem implantada e toda a gente dá valor" aos portugueses.

"O português está bem visto: do velho faz novo, do que é feio faz bonito", salientou, referindo que há no presente um fluxo migratório de portugueses para Miami, no sul dos Estados Unidos, estando "lá talvez já umas 200 famílias, com casa própria".

Também Maria Lucinda da Fonte não vinha a Portugal, neste caso, há 28 anos, e conta ter encontrado um país "muito diferente".

"Achei tudo muito diferente. Não esperava. Está um país maravilhoso", referiu.

Em Alcântara, em Lisboa, onde embarcou rumo ao Rio de Janeiro, no Brasil, Maria Lucinda da Fonte diz que encontrou "tudo muito bonito, muito diferente de há 50 anos".

"No coração, a gente pensa sempre nas imagens que deixou Portugal. Portugal não estava tão avançado nos prédios, nas ruas, nas pessoas", notou a emigrante, nascida há 83 anos em Satão, Viseu.

As precárias condições de vida levaram a família de nove filhos a emigrar para o Brasil, em 1956, sempre com o regresso a Portugal no pensamento, o que acabou por não ser possível.

Por isso, Maria Lucinda da Fonte expressou ainda o desejo de regressar à terra natal: "Quem me dera, tenho cinco netos e três filhos. Eles adoram Portugal, não têm condição. Se eu pudesse vir e ficar, eu não tinha problema".

No retorno por 12 dias, a mais idosa do grupo gostou "de tudo" na visita, "uma benção para voltar a ver" o país natal de novo.

Já António Queijeira, natural de Mogafores, Anadia, há 39 anos que não visitava Portugal.

Desde 1977 na Venezuela, país que atravessa uma crise económica, política e social, Queijeira emigrou à procura de melhores condições de vida, porém sempre com a intenção de voltar.

"A Venezuela está muito feia. Queria vir para Portugal, com a minha esposa, que é venezuelana, mas estou a que está um pouquinho difícil porque estou a tratar da minha pensão", afirmou, esperando que o Consulado de Portugal "dê uma resposta concreta".

No regresso a Portugal, depois de uma ausência de 39 anos, foi confrontado com um país "muito modificado".

Com 79 anos, António Borges dos Santos, natural de Seia, admitiu que estava "noutro lugar".

"Nunca pensei uma coisa assim", afirmou, maravilhado com o que viu em Portugal durante 12 dias, no âmbito do programa "Portugal no Coração".

O pai "foi primeiro para a Argentina, antes da II Guerra Mundial, e depois a família juntou-se depois", recordou António Borges dos Santos, que emigrou em 01 de abril de 1955.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.