"O vírus não se combate com cortes salariais, com bancos de horas encapotados, com horas negativas, com a precarização dos vínculos laborais, com o contínuo desinvestimento nos trabalhadores. (…) Pelo contrário, o vírus combate-se respeitando direitos, com mais investimento, valorizando salários dos trabalhadores", argumentou.

O candidato apoiado pelo PCP e PEV falava durante uma sessão sob o tema "Direito ao trabalho e ao trabalho com direitos. Defender a Constituição", na Casa do Alentejo, em Lisboa, que contou com a presença da secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha.

Antes da sua intervenção, Isabel Camarinha classificou a candidatura do PCP e PEV como “essencial e insubstituível”, por defender um “novo modelo de desenvolvimento” e ser aquela “que em melhores condições está de defender, cumprir e fazer cumprir a Constituição”.

A sessão arrancou com um conjunto de intervenções de representantes de comissões de trabalhadores de empresas e ativistas sindicais de diversas áreas profissionais, cujos discursos se centraram na precariedade e no facto de a pandemia de covid-19 ter vindo a aumentar a insegurança laboral.

Para João Ferreira, aqueles testemunhos “confirmam uma realidade económica e social que é urgente modificar”, missão que diz estar na base da sua candidatura, que “escolhe como prioridade defender e valorizar os trabalhadores”.

Respondendo a críticas que acusam a sua candidatura de não abandonar “a cassete da política laboral”, o eurodeputado sublinhou que essa é uma acusação que o orgulha, já que um dos propósitos da sua candidatura é a defesa dos direitos laborais.

“Nos últimos dias, a propósito de debates que terão causado amargos de boca a certos comentadores, houve quem viesse acusar esta candidatura de não abandonar a cassete da política laboral. Pois essa é uma acusação que muito me orgulha, são medalhas que esta candidatura carrega”, afirmou.

O candidato apoiado pelo PCP iniciou o segundo dia oficial da campanha para as presidenciais em Santiago do Cacém, no distrito de Setúbal, seguindo depois para Lisboa.

A primeira campanha realizada em Portugal em estado de emergência arrancou oficialmente no domingo, sob a ameaça de um novo confinamento e com as estruturas a adaptarem as suas agendas às restrições impostas pela pandemia de covid-19.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.