“A fim de honrar a memória dos mortos, o Presidente decretou descer as bandeiras da Ucrânia nos órgãos estatais, regionais, empresariais, estaduais e governamentais a meia haste”, informou num comunicado a Presidência ucraniana.

Zelensky prometeu aos seus concidadãos que seria realizada uma investigação completa e independente das causas do acidente.

“É uma prioridade para a Ucrânia estabelecer as causas do acidente de avião”, acrescentou.

O Presidente espera que os investigadores ucranianos, que chegaram hoje ao Irão, se juntem ao trabalho da equipa de investigação que estuda o acidente, em particular analisando as caixas-negras do avião.

Além disso, os investigadores estão a trabalhar na identificação e repatriação dos restos mortais dos passageiros ucranianos.

O Presidente pediu aos cidadãos ucranianos que evitem viagens à região (Médio Oriente) e não especulem sobre as razões do acidente até que os resultados oficiais da investigação sejam anunciados.

“É necessário esperar pelo menos o relatório preliminar da comissão de inquérito. E peço a todos, especialmente na situação de guerra informativa em que a Ucrânia está, que se abstenham de manipulações, especulações, teorias da conspiração, avaliações precipitadas e versões sem confirmação”, disse Zelensky.

O Boeing 737 da companhia aérea ucraniana UIA, que fazia a rota Teerão-Kiev e se despenhou na quarta-feira perto de Teerão, sofreu um incêndio antes de cair, de acordo com o relatório preliminar da Organização de Aviação Civil do Irão.

Citando testemunhas do acidente, pessoas que estavam no solo e a tripulação de outros voos, o relatório referiu que um incêndio foi observado no aparelho e a explosão subsequente ocorreu devido à colisão com o solo.

A Organização da Aviação Civil do Irão indicou que o avião se dirigia inicialmente para o oeste e, “depois de ocorrer o problema, virou à direita e tentou retornar ao aeroporto internacional Imã Khomeini, em Teerão, quando despenhou”.

Em relação às caixas-negras, a Organização da Aviação Civil do Irão disse que estão “danificadas” pelo acidente e pelo incêndio no avião.

Os dados foram avançados pela autoridade de aviação civil do Irão e constam de um relatório preliminar sobre o acidente que causou 176 mortos (82 iranianos, 63 canadianos, 11 ucranianos – dois passageiros e nove tripulantes -, 10 suecos, quatro afegãos, três alemães e três britânicos), depois de cair pouco depois de ter levantado voo do aeroporto da capital iraniana.

O acidente ocorreu horas depois do lançamento de mísseis iranianos contra duas bases da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, em Ain Assad e Erbil, no Iraque, numa operação de vingança pela morte do general iraniano Qassem Soleimani.

(Artigo atualizado às 12:43)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.