O chefe do executivo iraquiano, Mustafa al-Kadhimi, fez a declaração no Twitter, escrevendo que o anúncio era “em celebração” dos dois eventos de hoje com o Papa, os quais foram rotulados de “históricos” pelo governante.

A mensagem principal da visita de fim de semana de Francisco ao Iraque foi um apelo ao país para aceitar a sua diversidade e garantir direitos iguais às minorias. Com isto, o papa espera garantir o lugar da população cristã no Iraque, após anos em que diminuiu devido à violência e à discriminação.

Francisco encontrou-se hoje na cidade santa de Najaf com o aiatola iraquiano Ali al-Sistani e participou num encontro inter-religioso nas Planícies de Ur, local de nascimento de Abraão, o patriarca reverenciado por judeus, cristãos e muçulmanos.

A agenda papal inclui encontros com a comunidade católica, composta por 590 mil pessoas, cerca de 1,5% da população iraquiana, além de cristãos de outras Igrejas e confissões religiosas e líderes políticos.

O Papa vai passar por Bagdade, Najaf, Ur, Erbil, capital do Curdistão iraquiano, Mossul e Qaraqosh.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.