Edouard Philippe observou que os ataques de França, Estados Unidos e Reino Unido enviaram uma mensagem forte e clara ao Presidente da Síria, para que se evite que civis possam sofrer com a utilização de armas biológicas e químicas.

Na Assembleia Nacional de França, o primeiro-ministro referiu que os serviços de informações franceses e dos aliados norte-americano e britânico comprovam “a realidade” do ataque químico a Douma, em 07 de abril, perpetrado pelas forças governamentais.

A França instou os seus 14 parceiros do Conselho de Segurança da ONU a entrarem hoje “de boa-fé” nas negociações sobre um projeto de resolução sobre a Síria incidindo sobre as vertentes química, humanitária e política.

Uma primeira reunião, ao nível dos especialistas dos 15 países membros do Conselho de Segurança (CS), tem início marcado para as 18:30 TMG (19:30 em Lisboa).

“Não há um calendário artificial [para uma votação]. O que nós queremos é entrar em negociações verdadeiras, produtivas e sérias”, disse o embaixador francês na ONU, François Delattre, à imprensa.

Iniciado pela França e apoiado pelos Estados Unidos e o Reino Unido, o projeto de resolução foi colocado no sábado à noite em cima da mesa do CS, menos de 24 horas após os bombardeamentos daqueles três países na Síria, para punir o regime por ter recorrido a armas químicas em Douma, num ataque que fez 40 mortos e mais de 500 feridos.

A Rússia nega, tal como Damasco, que tenham sido usadas armas químicas naquela cidade próxima da capital síria.

A ofensiva de sábado na Síria consistiu em três ataques, com uma centena de mísseis, contra instalações utilizadas para produzir e armazenar armas químicas, segundo o Pentágono.

O presidente dos EUA justificou o ataque como uma resposta à “ação monstruosa” realizada pelo regime de Damasco contra a oposição.

Segundo o secretário-geral da NATO, a ofensiva teve o apoio dos 29 países que integram a Aliança.

Na sequência destes ataques, e a pedido da Rússia, realizou-se uma reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU, na qual foi rejeitada uma proposta, apresentada pelos russos, de condenação da ofensiva militar.

No domingo, o presidente russo, Vladimir Putin, avisou que novos ataques à Síria por países europeus e Estados Unidos pode provocar “o caos” nas relações internacionais

O líder sírio, Bashar al-Assad, acusou os Estados Unidos e os seus aliados de lançarem uma “campanha de falácias e mentiras” após a ofensiva militar lançada no sábado por Washington, Londres e Paris.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.