"O único comentário que me merece é que é uma decisão pessoal de Armando Vara", afirmou em declarações aos jornalistas à entrada de um jantar no Porto.

Questionada sobre se a permanência de Armando Vara prejudicaria o Partido Socialista, Ana Catarina Mendes, escusou-se a comentar, reiterando que a desvinculação de Vara foi uma "decisão pessoal".

"É uma decisão pessoal de Armando Vara entregar uma carta ao Partido Socialista dizendo que se desvincula. Tive conhecimento dela há instantes pela imprensa, ainda não chegou ao Largo do Rato, mas é, evidentemente, uma decisão pessoal de Armando Vara", concluiu.

Segundo avançou hoje o Diário de Notícias, Armando Vara informou hoje o PS que se irá desvincular para “evitar qualquer embaraço” ao partido a que aderiu há 45 anos.

O socialista, que se encontra a cumprir uma pena de cinco anos de prisão efetiva pelo crime de tráfico de influências, enviou hoje uma carta dirigida ao secretário-geral, onde explica que decidiu desvincular-se de militante do PS, de forma a evitar qualquer eventual "embaraço" ao partido e aos socialistas.

O ex-ministro e ex-vice-presidente do BCP foi condenado no Tribunal de Aveiro no âmbito do processo Face Oculta, estando a cumprir pena na Estabelecimento Prisional de Évora.

O coletivo de juízes deu como provado que o antigo ministro e ex-vice-presidente do BCP recebeu 25 mil euros do sucateiro Manuel Godinho, o principal arguido no caso, como compensação pelas diligências empreendidas em favor das suas empresas.

Armando Vara é também um dos 28 arguidos no processo Marquês, em que o principal arguido é o ex-primeiro-ministro José Sócrates.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.