"O PS sempre esteve disponível para todos os diálogos. Aquilo que se esperava neste Congresso também era que houvesse propostas concretas para sabermos que diálogo, mas é de sublinhar de forma positiva a intenção de Rui Rio de vir ao diálogo com o PS", defendeu Ana Catarina Mendes.

A secretária-geral-adjunta socialista considerou que o discurso de Rui Rio no encerramento do 37.º Congresso do PSD foi "um bom momento de retórica", ressalvando: "O que os portugueses precisam, mais do que retorica, são ações, uma ideia para o país".

"Aquilo que aconteceu neste Congresso e que o país pode assistir foi essencialmente a vida interna do PSD e muito pouco para dizer a país. Do que resta deste discurso de Rui Rio é que a sua retórica não condiz com aquilo que é a realidade nos dias de hoje e que Rui Rio se esqueceu propositadamente de referir", defendeu.

A dirigente socialista desfiou dados económico-financeiros dos últimos dois anos, mas também números positivos sobre a saúde a educação, para argumentar que Rui Rio talvez tenha expressado no seu discurso "remorsos e pedidos de responsabilidades à anterior direção do PSD, que deixou os serviços públicos depauperados."

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.