O caso teve início quando Rahaf Mohammed al-Qunun, jovem saudita de 18, viu negada a entrada na Tailândia, onde tentou fazer escada para seguir viagem para a Austrália, país para o qual tem um visto turístico de três meses e onde disse procurar asilo.

Para evitar ser detida, a jovem barricou-se no seu quarto num hotel na zona de trânsito do aeroporto de Banguecoque para impedir que os agentes da imigração tailandesa a colocassem num avião para o Kuwait, de forma a ser devolvida à sua família e transportada para a Arábia Saudita.

"Peço a todas as pessoas que se encontram em trânsito em Banguecoque que se manifestem contra a minha expulsão", escreveu Rahaf Mohammed al-Qunun na sua conta no Twitter.

Num vídeo publicado na mesma rede social, a jovem mostra como se entrincheirou com a ajuda de uma mesa colocada contra a porta do seu quarto de hotel no aeroporto. Rahaf disse que seria expulsa esta segunda-feira, e que teme ser presa no seu país.

"Tenho 100% de certeza de que eles me vão matar no momento em que deixar a prisão saudita", declarou à AFP, prometendo que não sairia do seu quarto enquanto não fosse recebida por representantes do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Ancur).

O encontro deu-se ainda hoje, tendo a imigração tailandesa publicado fotos da sua partida. Numa conferência de imprensa, Surachate Hakparn, chefe do gabinete de imigração, informou que a jovem "deixou o aeroporto com o Acnur, e que definirá o seu caso entre cinco a sete dias". "Se ela não quiser partir, não será reenviada contra a sua vontade", assegurou pouco antes à imprensa, reforçando que "se deportá-la resultasse na sua morte, nós definitivamente não quereríamos isso."

No entanto, uma petição já foi lançada no site Change.org para defender a causa da jovem saudita.

O incidente assume uma dimensão especial após o recente assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado saudita na Turquia.

Violência física e psicológica

Pouco antes desta situação se desenrolar, um tribunal criminal em Banguecoque tinha rejeitado um recurso apresentado por Nadthasiri Bergman, uma advogada de direitos humanos para impedir a expulsão de Rahaf.

O recurso baseou-se no facto de Rahaf Mohammed al-Qunun afirmar ter sofrido violências físicas e psicológicas por parte de sua família e que, temendo pela sua vida se voltar para a Arábia Saudita, terá pedido ajuda a vários países europeus, aos EUA, ao Canadá e à Austrália.

Rahaf explicou que foi presa por oficiais sauditas e kuwaitianos na chegada ao aeroporto de Banguecoque depois de fugir da família enquanto estavam a visitar o Kuwait, acrescentando que o seu passaporte foi confiscado à força, algo que foi corroborado pela ONG Human Rights Watch (HRW). Contudo, a embaixada saudita negou que os seus representantes estivessem presentes no terminal do aeroporto tailandês, acrescentando no Twitter "estar em contato constante com a família da jovem".

A jovem saudita, de 18 anos, acusa a família de tê-la trancado num quarto durante seis meses, simplesmente porque ela cortou o cabelo. O serviço de imigração tailandês explica, por sua vez, que ela estava a tentar escapar de um casamento de conveniência.

Uma amiga da jovem, residente na Austrália depois de abandonar a Arábia Saudita, terá dito ao jornal britânico Guardian que Rahaf "é uma ex-muçulmana e tem uma família muito estrita" que está a sujeitá-la "a violência e a assédio sexual", acrescentando que terá "recebido uma ameaça do seu primo" que quer "ver o sangue dela, quer matá-la" devido à sua renúncia.

Em abril de 2017, o destino de outra saudita, Dina Ali Lasloum, de 24 anos, detida enquanto viajava pelas Filipinas em direção a Sydney, despertou a preocupação da HRW. A jovem queria fugir de um casamento forçado, de acordo com a organização.

A embaixada da Arábia Saudita em Manila apresentou o incidente como um caso de família e disse que a menina "voltou com a família para o seu país".

Na Arábia Saudita, as mulheres estão sujeitas a inúmeras restrições, sendo forçadas a ficar sob a tutela de um homem (pai, marido, ou outro, dependendo do caso) que exerce autoridade arbitrária sobre elas e toma decisões importantes no seu lugar.

Uma mulher julgada como tendo cometido um crime "moral" pode ser violentamente punida pela sua família, incluindo a sua execução no caso dos chamados "crimes de honra".

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.