"Raqa é a verdadeira capital do EI", afirmou o secretário de Estado adjunto dos Estados Unidos, Anthony Blinken, pouco depois do início, no dia 17 de outubro, da operação para retomar Mossul, reduto dos extremistas no Iraque.

"A partir desta cidade, o Daesh planeia os ataques externos", acrescentou, utilizando o acrónimo em árabe do EI.

Para os líderes ocidentais, a erradicação do Estado Islâmico passa obrigatoriamente pela recuperação de Raqa, contra a qual a coligação internacional anti-extremista realizou os seus primeiros bombardeios em setembro de 2014.

Esta cidade, situada nas margens do rio Eufrates, a 100 km da fronteira turca, contava com 240.000 habitantes antes do início do conflito na Síria, em 2011. Em 2013, foi a primeira capital provincial a cair nas mãos dos grupos armados contrários ao regime do presidente Bashar al-Assad.

No início de 2014, a organização que se converteria no EI meses mais tarde expulsou à força os outros grupos presentes na cidade.

"Rotunda do inferno"

O EI fará de Raqa a "cidade modelo" do seu califado autoproclamado nos territórios conquistados na Síria e no Iraque, explicava no ano passado Hicham al Hachimi, especialista em grupos islamitas.

O grupo quer administrá-la "como um governo central" que garanta uma polícia, uma justiça e serviços como educação.

Paralelamente, os habitantes de Raqa são vítimas de um regime de terror.

No centro da cidade, a rotunda Paraíso foi rebatizada como "rotunda do inferno" pelos habitantes, devido às execuções: cabeças decapitadas ou corpos crucificados são expostos com frequência por vários dias, uma forma que o EI encontrou de desencorajar qualquer dissidência.

Noutra praça da cidade, os extremistas vendem escravas sexuais, sobretudo integrantes da comunidade yazidi, uma minoria de língua curda considerada herege pelo EI.

Segundo testemunhos de militantes de grupos como "Raqa é Massacrada em Silêncio", os extremistas proíbem os cigarros, obrigam os homens a deixar a barba crescer e as mulheres a usar o niqab, as roupas pretas que as cobrem da cabeça aos pés.

Colocaram em vigor novos programas escolares e para algumas profissões, como médicos, professores ou taxistas, foram aplicados testes sobre a sharia (Lei Islâmica).

Ali é proibida a venda de bebidas alcoólicas, assim como os manequins nas lojas, onde homens e mulheres não têm o direito de comprar juntos, salvo se estiverem casados.

Segundo os serviços de informação ocidentais, Raqa é uma das cidades sírias onde muitos extremistas estrangeiros chegaram, beneficiando de um "tratamento preferencial" em relação à população local, "considerada inferior".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.