"É preciso em primeiro lugar provar que o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, está envolvido num processo ilícito ou que viola determinado tipo de regras do ponto de vista económico, pessoal e político. Só depois desta prova ser evidente é que se deve tomar as medidas”, defendeu Arménio Carlos.

O secretário-geral da CGTP, que falava à agência Lusa à margem do encontro nacional "Combater as Assimetrias Regionais - Pelo Progresso Social e a Coesão Territorial" promovido em Portalegre pela estrutura sindical, acrescentou ainda que o ministro do Trabalho, Segurança Social e Solidariedade, do ponto de vista pessoal, deverá determinar se tem ou não condições para desempenhar as suas funções.

“Relativamente à posição pessoal do ministro, é ele que tem de determinar se continua a reunir as condições para prosseguir ou não. Se entender que não tem condições sai, se entender que tem condições continua”, disse.

De acordo com o secretário-geral da CGTP, a “questão de fundo” neste caso não passa por “procurar cabeças, rolar cabeças”, defendendo que o inquérito que está em curso deverá “apurar com toda a transparência e frontalidade” aquilo que se passou.

O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje manter “total confiança política” no ministro Vieira da Silva, considerando que o facto de ter sido vice-presidente da assembleia-geral da Raríssimas não macula “de alguma forma” a sua excelente atividade governativa.

Em declarações aos jornalistas à entrada para um Conselho Europeu, em Bruxelas, o chefe de Governo português salientou também que não se pode confundir factos, de natureza criminal ou não, que tenham sido praticados por uma direção “que aliás já cessou funções”, com a “excelência do trabalho que a instituição tem desenvolvido ao longo de anos”, e garantiu que o Estado “tudo fará” dentro das suas possibilidades para assegurar a continuidade da atividade da Raríssimas.

Começando por responder à questão sobre se mantinha a confiança no ministro do Trabalho, Segurança Social e Solidariedade, o primeiro-ministro disse que isso era “inequívoco” e assegurou “total confiança política no ministro Vieira da Silva”.

Uma reportagem divulgada no sábado pela TVI deu conta de alegadas irregularidades nas contas da Raríssimas, levando á demissão da presidente da associação, Paula Brito e Costa, por suspeita de utilizar fundos da instituição para fins pessoais.

A TVI avançou ainda que o agora ex-secretário de Estado da Saúde Manuel Delgado colaborou com a associação como consultor em 2013 e 2015 e que o atual ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, assinou as contas da associação enquanto membro da assembleia geral.

Na terça-feira tanto Paula Brito e Costa como Manuel Delgado apresentaram a demissão dos cargos.

A denúncia da reportagem da TVI levou ainda a uma fiscalização da Inspeção Geral do Trabalho, que está na Casa dos Marcos, Moita – instituição onde funciona a Raríssimas – desde quarta-feira

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.