Segundo o diário alemão ‘Süddeutsche Zeitung’ e das televisões públicas NDR e WDR, citados pela agência de notícias espanhola Efe, os serviços dinamarqueses terão ajudado a Agência de Segurança Nacional americana (NSA) a colocar escutas nos telemóveis de Merkel e do então ministro do Exterior, Frank-Walter Steinmeier, atual Presidente da Alemanha.

O escândalo sobre as escutas foi divulgado em 2013 e afetou as relações entre os dois grandes aliados transatlânticos, Berlim e Washington.

Merkel fez questão de expressar o seu descontentamento ao então Presidente norte-americano, o democrata Barack Obama, considerando tratar-se de “espionagem inaceitável entre amigos”.

Várias investigações jornalísticas revelaram que a NSA realizava práticas de espionagem a vários líderes europeus e ao Banco Central Europeu desde a década de 1990.

De acordo com as informações agora reveladas, a Dinamarca estava ciente do teor das atividades e, possivelmente, cooperou com os Estados Unidos para realizá-las.

A questão compromete a Dinamarca na sua dupla condição de vizinho da Alemanha e de parceira da União Europeia (UE), segundo os órgãos de comunicação social alemães.

A cooperação dinamarquesa com a NSA tornou possível não apenas colocar escutas no telefone de Merkel, mas também no dos outros líderes dos países nórdicos, como a Suécia e Noruega.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.