“A próxima edição é em 2024. O protocolo com a Câmara [Municipal de Lisboa] é para duas edições – esta de 2022 e de 2024”, novamente no Parque da Bela Vista, onde o festival acontece, de dois em dois anos, desde 2004, disse Roberta Medina à Lusa, entre concertos, na ‘cidade do rock’.

A edição que hoje termina deveria ter acontecido em 2020, mas acabou por ser adiada devido à pandemia da covid-19, fazendo com que o público tivesse de esperar quatro anos, em vez dos habituais dois, para voltar ao festival.

Ao longo de quatro dias, segundo a organização, a ‘cidade do rock’ recebeu cerca de 287 mil pessoas: 74 mil no dia 18 de junho, 63 mil no dia 19, 70 mil no sábado e 80 mil hoje, o único com lotação esgotada.

Segundo Roberta Medina, sessenta mil dos bilhetes usados este ano tinham sido vendidos para a edição de 2020. Do total de bilhetes vendidos, 9% foram reembolsados, tendo em conta os adiamentos de 2020 e 2021 e o cancelamento do concerto dos Foo Fighters, cabeças de cartaz do primeiro dia, que acabaram por ser substituídos pelos Muse.

Há ainda a registar um aumento do número de bilhetes vendidos no estrangeiro, totalizando “pelo menos 20 mil ingressos vendidos para 39 países diferentes”.

Roberta Medina justifica este aumento de vendas com o facto de a organização estar a trabalhar “mais internacionalmente”. “Quando a gente veio [para Portugal] a pergunta era ‘porquê Lisboa?’ Hoje, Lisboa é um ativo do festival”, afirmou.

Segundo a diretora do Rock in Rio Lisboa, além de o protocolo com a autarquia da capital garantir o regresso em 2024, está também assinado um acordo com o patrocinador principal deste ano, a empresa Galp, que prevê mais uma edição.

Em relação à edição que hoje termina, afetada pela pandemia da covid-19 e pela guerra na Ucrânia, Roberta Medina confidenciou que “o desafio foi antecipar o planeamento”.

“A nossa preocupação era todo o impacto de logística que o mundo estava a viver por causa da pandemia. Começámos a fechar os contratos em novembro. Os fornecedores entregaram com antecedência. […] O patrocínio cresceu e eu acho que é uma coisa de um projeto sólido, que dá confiança às marcas em horas difíceis”, disse.

Na 9.ª edição, o orçamento, que inclui permutas e contrapartidas, foi de 25 milhões de euros, valor “parecido” com as anteriores.

Sobre o impacto financeiro do festival, Roberta Medina remeteu para dados de 2008, referindo ser de 63 milhões de euros.

O 9.º Rock in Rio termina hoje com lotação esgotada.

As portas da ‘cidade do rock’, no Parque da Bela Vista, abriram às 12:00 e encerram às 02:00 de segunda-feira.

Hoje, no Palco Mundo, o maior dos vários palcos do festival, já atuaram HMB e Jason Derulo, faltando ainda as ‘estrelas’ mais aguardadas: Post Malone e Anitta.

O último dia de Rock in Rio Lisboa fica também marcado pela greve de 24 horas dos trabalhadores do Metropolitano de Lisboa, que levou a organização do festival a criar, em conjunto com a Câmara Municipal de Lisboa, “mais parques de estacionamento com ‘shuttle’ direto para o recinto”.

Além da música, o Rock in Rio Lisboa tem várias diversões, como a roda gigante, o slide e as ‘pool parties’ (festas na piscina), e por todo o recinto são distribuídos uma série de brindes, pelas marcas que patrocinam o festival, que vão de chapéus, a sofás insufláveis, passando por queijos ou preservativos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.