"Não foi apresentada nenhuma prova, nem sequer indireta, da presença de crianças no edifício", situado na localidade de Hass, afirma em comunicado o porta-voz do exército, Igor Konachenkov.

No dia 26 de outubro, o bombardeamento aéreo de uma escola em Hass vitimou 22 crianças e seis professores, de acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Após a ação militar, vários meios de comunicação árabes e ocidentais acusaram a Rússia, aliada do regime sírio, de "crimes de guerra".

Num relatório divulgado no domingo, a Human Rights Watch retomou a acusação. O ministério russo da Defesa considerou a mesma "pouco crível".

Após o bombardeamento, fontes da diplomacia russa negaram qualquer responsabilidade no ataque, mas não questionaram o balanço de vítimas.

Desde 30 de setembro que a aviação russa apoia as tropas do presidente sírio Bashar al-Assad, assegurando atacar apenas "alvos terroristas".

No entanto, as forças ocidentais acusam alguns pilotos russos de atacar os rebeldes moderados e de cometer "crimes de guerra" contra civis.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.