“Nós negamos veementemente essa informação”, disse o general Yuri Yevtushenko, chefe do departamento russo que está em negociações sobre o conflito na Síria, citado por agências noticiosas russas.

O responsável acrescentou que, “assim que Douma for libertada”, a Rússia enviará para o local “especialistas em armas nucleares, químicas e biológicas para recolherem dados que confirmem que as acusações [dos Estados Unidos] são falsas”.

Os Estados Unidos denunciaram hoje a “proteção incondicional” da Rússia ao regime do presidente sírio, Bashar al-Assad, e exigiram o “fim imediato” deste apoio, após o ataque químico que provocou dezenas de mortos.

Também hoje, o Observatório Sírio de Direitos Humanos denunciou que os bombardeamentos em Douma foram retomados de madrugada, após uma breve pausa.

Segundo esta organização não-governamental (ONG), os ataques aéreos tiveram uma interrupção de cerca de duas horas, intervalo que terá coincidido com o reinício das negociações entre a Rússia, a Síria e o Exército do Islão, que controla Douma.

A ONG relata, contudo, que de madrugada já se registaram bombardeamentos e ataques com mísseis e explosivos contra a cidade.

As novas ocorrências acontecem horas depois de ataque químico contra a cidade de Douma ter provocado dezenas de mortos, entre os quais mulheres e crianças.

Segundo os Capacetes Brancos, ONG dedicada ao resgate de vítimas das zonas sob controlo dos rebeldes, registaram-se pelo menos 40 mortos e centenas de feridos devido à utilização de “gás cloro tóxico”.

Já a organização médica síria e americana, outra ONG, falou num total de 41 mortos e também em centenas de feridos.

Por sua vez, o Observatório Sírio de Direitos Humanos assegurou que morreram 80 civis, metade dos quais devido a asfixia resultante do colapso das infraestruturas (inclusive de abrigos).

A agência oficial síria, SANA, negou qualquer responsabilidade das forças sírias e assegurou que "as denúncias do uso de substâncias químicas em Douma são uma tentativa clara de impedir o progresso do exército", que na sexta-feira iniciou uma ofensiva contra os rebeldes naquela zona.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.