“Gostava de advertir os nossos parceiros europeus sobre qualquer nova iniciativa imprudente. Ela será seguida inexoravelmente, como compreendem, de uma resposta proporcionada”, afirmou a porta-voz da diplomacia russa, Maria Zakharova, em conferência de imprensa.

A responsável russa aludia às discussões que decorrem em Bruxelas sobre novas sanções contra o Kremlin.

“É absolutamente inaceitável utilizar os direitos humanos e os princípios democráticos como instrumentos geopolíticos”, acrescentou Zakharova.

Na terça-feira, o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, disse que vai recomendar ao Conselho Europeu a adoção de novas sanções após a sua polémica visita a Moscovo, entre dias 4 e 6 deste mês, coincidindo com a expulsão de três diplomatas europeus.

As relações entre a UE e a Rússia degradaram-se nos últimos anos devido a numerosos diferendos, em particular relacionados com a situação na Ucrânia, na Síria, na Líbia, mais recentemente em torno do caso Navalny.

Bruxelas apelou à libertação do opositor, detido desde o seu regresso à Rússia em 17 de janeiro após uma tentativa de envenenamento no verão passado, e condenou a repressão de manifestações pela sua libertação no final de janeiro e início de fevereiro.

Borrell deverá submeter as propostas de sanções aos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE no decurso da sua reunião em 22 de fevereiro.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.