Para demonstrar a falta de condições da escola, em Lisboa, os alunos almoçaram sentados no chão, em frente à escadaria principal do parlamento.

Os alunos da escola artística gritaram palavras de ordem como “Assembleia egoísta é a morte do artista”, “comemos no chão graças à corrupção” ou “Arroio unida jamais será vencida”.

Segundo a associação de estudantes, existem apenas sete micro-ondas para cerca de 1.300 alunos e não há um refeitório onde consigam sentar-se para comer.

Por isso, acabam “por comer na rua” e muitas vezes nem aquecem o almoço que levam de casa porque “as filas são de 40 minutos” para usar os micro-ondas, quando têm uma hora de almoço, contaram os alunos.

Xavier Lousada, aluno do 12.º ano e presidente da Associação de Estudantes da Escola Secundária António Arroio, afirmou à Lusa que houve a necessidade de protestar “porque existem muitos problemas que estão relacionados com as obras”, que “começaram há oito anos, mas estão paradas há seis”.

“Há entulho, material das obras que está a apodrecer à volta da escola e está a chamar bicharada, há ratos nas oficinas de gravura, os aquecedores não funcionam, o edifício principal está com a estrutura mal feita, foi acabada à pressa, e no ginásio, com as infiltrações da água, rebentou o teto”, referiu o aluno.

O presidente da associação de estudantes precisou que “não há refeitório, o que há é um contentorzinho com um bar que vende aos alunos umas caixinhas com comida”.

Segundo Xavier Lousada, não é apenas o refeitório que faz falta na escola.

“Não temos biblioteca, não temos ateliês para trabalhar, não temos um auditório”, elencou, acrescentando que estes equipamentos funcionam atualmente em “salas improvisadas”.

Por tudo isto, os alunos dizem estar “fartos de não receber respostas concretas”.

“No início dos anos dizem sempre que as obras vão começar, mas nunca começam. Ou libertam a verba e a verba depois desaparece, ou existe um empreiteiro, mas o empreiteiro desaparece […]. É muita coisa”, referiu o estudante.

Além das palavras de ordem entoadas, os alunos exibiram cartazes em que se lia “obras já” (com a letra ‘o’ feita com um prato, um garfo e uma faca), “1.300 alunos, sete micro-ondas”, “não vamos calar até a obra acabar”, “não vamos ficar calados”, “mãos à obra” e “não vamos parar”.

Uma das alunas exibia um cartaz a referir estar “farta de calos no rabo” por ter de comer sentada no chão, pedindo por isso o “refeitório já, sff” (se faz favor).

Rute Garcia foi uma das professoras que se juntaram ao protesto organizado pelos estudantes.

À Lusa, a docente do 10.º ano falou numa “realidade que afeta toda a comunidade escolar”.

“É um problema que toca a todos e por isso estamos todos solidários”, acrescentou.

Também a deputada Rita Rato, do PCP, marcou presença na ação, apontando que os comunistas estão solidários com a “luta dos estudantes pela conclusão das obras na Escola António Arroio, uma luta que quase que já tem uma década”.

A deputada considerou estar em causa “o funcionamento normal da escola”, que “continua a funcionar sem refeitório” e “não garante condições mínimas”, numa situação que a seu ver é “inaceitável”.

Lembrando que, “já por proposta do PCP, foi aprovada a importância da conclusão das obras”, Rita Rato salientou que “não é por falta de proposta” que as obras não se concluem, mas sim “por falta de vontade política e agilização de processos”.

 [Notícia atualizada às 17:44]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.