Em conferência de imprensa, Sérgio Conceição lembrou que a vitória dos ‘azuis e brancos’, por 3-0, na 4.ª jornada do campeonato, ficou marcada pela expulsão do defesa dos minhotos, Tapsoba, ainda no primeiro minuto de jogo.

“Esse jogo ficou marcado pela expulsão do central no início e o jogo teve uma história diferente. Por isso, dizemos sempre: queremos levar o jogo para onde achamos que nos sentimos mais confortáveis. Depois, cada jogo vai dando dificuldades e momentos diferentes. Temos de estar preparados. Sabemos que temos de ganhar para estar na final, contra um adversário difícil, vamos ter de ser uma equipa forte”, afirmou o treinador dos ‘dragões’.

Pepe, Nakajima e Zé Luís não vão ser opção no FC Porto para o encontro com os vimaranenses, tendo Sérgio Conceição confirmado as baixas do internacional português, do japonês e do cabo-verdiano com uma resposta caricata.

“‘Out, out’. Agora estamos com a mania do ‘out’. Três ‘out'”, afirmou sobre os três jogadores que, na passada segunda-feira, ainda constavam no boletim clínico da equipa.

Sérgio Conceição foi ainda confrontado pelos jornalistas com as críticas que recebeu dos adeptos do FC Porto, após a derrota caseira frente ao Sporting de Braga (1-2) na sexta-feira, e admitiu que estes têm toda a legitimidade para o contestar, mas garantiu que está plenamente concentrado no seu trabalho.

“Não tenho de comentar críticas dos adeptos. Sabe uma coisa: quando cheguei aqui, o FC Porto vinha de quatro anos sem ganhar nada e as expectativas são baixas, baixíssimas. A exigência por si só acaba também por baixar. Quando se consegue levantar o FC Porto, quebrar a hegemonia do Benfica, ganhar um campeonato que foi dos três mais importantes da história do FC Porto, a exigência começa a aumentar”, começou por dizer.

Mesmo assim, o treinador garantiu que convive bem com estas manifestações: “Como gosto deste tipo de pressão, acho que faz parte e não tenho de comentar as reações dos adeptos, muito menos os que falam na imprensa. Vocês é que lhes dão espaço para falar”.

Conceição defendeu que, se comentar estas opiniões, não conseguirá focar-se “no mais importante”, que é trabalhar para ter resultados para os adeptos “baterem palmas”.

“Ganhando batem palmas, se perdermos assobiam e mostram lenços. Os lenços, uso me assoar ou para limpar a transpiração, porque trabalho aqui todos os dias. Isso a mim diz-me pouco. Diz-me muito pouco, porque não tem de influenciar o meu trabalho, mas diz-me muito sobre aquilo que é a insatisfação dos adeptos. Tenho um respeito enorme por toda a massa adepta do FC Porto, há muitos anos, mas isso não pode condicionar aquilo que é o meu trabalho, se não temos de pegar nas malas e ir”, concluiu Sérgio Conceição.

O técnico admitiu, no entanto, que “é sempre mais fácil trabalhar sobre vitórias” e que, por isso, o momento no Dragão não é o melhor.

“É sempre melhor trabalhar em cima de vitórias do que de resultados negativos. Não sou hipócrita para dizer que está tudo bem, que está tudo extremamente feliz. Mas isso faz parte do que é a vida do futebol. Foi um resultado negativo, um jogo ingrato para nós. Mas depois tivemos de fechar a cortina e olhar para o próximo encontro”, concluiu.

O FC Porto joga esta quarta-feira, às 19:45 horas, com o Vitória de Guimarães, em jogo das meias-finais da Taça da Liga de futebol, que se realiza no Estádio Municipal de Braga.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.