Em declarações à Lusa, o presidente do SICOP, Rui Pedro Ferreira, disse que a greve na Petrogal, que se iniciou no sábado e terminou esta manhã, teve uma participação na ordem dos 80%, realçando que a produção nas duas refinarias teve uma grande quebra.

“Para nós, o problema [no Aeroporto de Lisboa] não está dissociado do facto de estarmos em greve”, afirmou o dirigente sindical, defendendo que a paralisação nas refinarias terá sido responsável pelo cancelamento de voos no aeroporto de Lisboa, atribuído a um problema do sistema de abastecimento.

Já em comunicado, a federação do setor, a Fiequimetal, questionou “se será apenas coincidência o facto de ter acontecido hoje [na quarta-feira] uma estranha avaria no sistema de bombagem de combustível do Aeroporto Humberto Delgado”.

A paralisação iniciou-se no sábado e terminou esta manhã, envolvendo cerca de 900 trabalhadores da Petrogal.

Contactada pela Lusa, fonte oficial do GOP - Grupo Iperacional de Combustíveis, liderado pela Petrogal e que reúne as principais petrolíferas, responsável pelo abastecimento dos aviões, disse que "está já a decorrer o processo para determinar a origem do incidente ocorrido, aguardando-se as respetivas conclusões".

A Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) anunciou que vai abrir um processo de averiguações à avaria no sistema de abastecimento de aviões no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, para "apurar as circunstâncias da falha e futuras medidas a tomar".

Fonte oficial da ANAC, regulador do setor da aviação, disse que "decidiu abrir um processo de averiguações e encontra-se a efetuar as diligências necessárias de forma a apurar as circunstâncias da falha e futuras medidas a tomar, com vista a garantir que a situação de inoperacionalidade de ontem não se volte a verificar".

De acordo com a Fiequimetal, as áreas onde a greve dos trabalhadores da Petrogal teve mais “visíveis consequências” foram a produção nas duas refinarias, que teve uma “redução substancial” e nos terminais petrolíferos e parques de abastecimento de combustíveis, que pararam, assim como o oleoduto que liga o Parque da Boa-Nova ao aeroporto de Pedras Rubras [Francisco Sá Carneiro], igualmente parado, o que não deixa de provocar perturbações no abastecimento público, designadamente dos aeroportos.

Os trabalhos de manutenção nas duas refinarias foram também suspensos.

Sobre a adesão à greve, fonte oficial da Galp afirmou à Lusa que a empresa não comenta assuntos internos da empresa e prefere valorizar os “mecanismos internos de diálogo e regulação, nomeadamente os instrumentos de contratação coletiva que, de resto, permitiram acordar a revisão do acordo de empresa da Petrogal aplicável durante os próximos três anos”.

“Nesse contexto, e entre outras regalias sociais, a Petrogal aprovou um aumento dos salários em 1,3% e atualizou o subsídio de alimentação para 10,50€/dia”, lê-se numa resposta a questões colocadas pela Lusa.

“Em relação ao impacto da greve, a Galp tomará as medidas necessárias para minimizar o impacto para os seus clientes”, concluiu a mesma fonte.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.