Depois de contactar professores de todo o país, o STOP apresentou hoje alguns dados sobre os efeitos do ensino à distância, que começou em 16 de março quando as escolas foram encerradas e o ensino presencial suspenso como forma de conter a disseminação do novo coronavírus, que já provocou mais de mil mortos e 25 mil infetados em Portugal.

A radiografia feita pelo STOP indica que “aumentou significativamente as diferenças no ensino entre escolas”, apesar do empenho e esforço de professores e encarregados de educação.

Para o sindicato, o Ministério da Educação “não deu orientações precisas às escolas, o que consequentemente levou a diretrizes diferentes em cada Agrupamento de Escolas/Escolas Não Agrupadas”.

Algumas escolas decidiram continuar os conteúdos que estavam a ser dados nas aulas presenciais, dando matéria nova, ao passo que noutras a opção foi fazer a revisão de matérias. Também houve casos em que a decisão sobre o que fazer ficou a cargo de cada professor, contou o sindicato.

O STOP também ouviu relatos de professores que admitiram ser cada vez mais difícil motivar os alunos para a aprendizagem: “De uma forma geral verificou-se uma maior desmotivação e uma menor atenção dos alunos”, disse o sindicado em comunicado.

A avaliação dos alunos é outra das áreas que levanta preocupações, havendo inúmeros casos em que os professores se aperceberam que os trabalhos eram feitos por adultos, revelou o sindicato.

As dificuldades de aprendizagem entre os alunos com necessidades educativas também foram referidas como um dos problemas do ensino à distância.

O STOP chamou ainda a atenção para o acréscimo de trabalho dos professores, que “aumentou brutalmente”, já que passou a ser preciso preparar aulas síncronas e assíncronas, elaborar, enviar e corrigir as atividades propostas, assim como responder às dúvidas de alunos e também encarregados de educação.

”Neste contexto de pandemia/teletrabalho muitos docentes estão ainda mais perto da exaustão”, alertou.

Perante esta radiografia do ensino à distância, o STOP teme pela equidade no ensino, assim como alerta para uma avaliação injusta dos alunos e discrepâncias significativas de matérias lecionadas.

No que toca aos professores, o sindicato considerou que há uma “classe docente ainda mais exausta”, o que irá comprometer a sua saúde mas também a qualidade de ensino para os próximos anos letivos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.