Os sindicatos da função pública indicam, por sua vez, que a greve se saldou pelo encerramento de 700 escolas, e teve uma “elevadíssima adesão” de 85 por cento.

Em declarações à agência Lusa o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva, disse que num levantamento feito pela estrutura se constatou que centenas de escolas encerraram e que muitas outras funcionaram com “serviços mínimos” devido à ausência de muitos funcionários.

João Dias da Silva disse que é difícil determinar números de adesão, mas garantiu que a greve de hoje igualou as maiores greves já feitas no setor.

Foi “uma enorme greve, com uma dimensão muito grande, e é um sinal claro para o Governo”, disse.

“Esperamos que o Governo responda rapidamente, esperamos que o Ministério da Educação não fuja à realidade”, disse João Dias da Silva, lembrando que as escolas têm uma manifesta falta de pessoal não docente, que leva ao encerramento de bibliotecas ou redução de horários de cantinas e papelarias, o que é constatado diariamente pelos alunos e pelos pais.

Os trabalhadores não docentes cumpriram hoje um dia de greve para exigir a integração dos vínculos precários, uma carreira específica e meios suficientes para assegurar o bom funcionamento das escolas.

A greve foi convocada por estruturas sindicais afetas às duas centrais sindicais, CGTP e UGT (a FNE).

Artur Sequeira, da Federação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores em Funções Públicas (FNSTFPS, da CGTP), já tinha apontado ao início da tarde que a greve teve uma adesão entre os 80% e os 85 por cento.

Num comunicado divulgado hoje à tarde a FNSTFPS indica que a adesão foi superior a 85%, com mais de 700 escolas que encerraram, o que “deverá ser um sinal claro para o Governo, no sentido de este mudar de política” em relação aos trabalhadores não docentes.

A FNSTFPS considera que ao Governo, “perante a greve hoje levada a cabo, só restará negociar e levar à prática, no imediato, o reforço de efetivos e a regularização de vínculos precários; a revisão da portaria de rácios; a reposição das carreiras específicas; o fim da municipalização da Escola Pública”, diz-se no comunicado.

Segundo Artur Sequeira, as escolas têm 7.796 trabalhadores precários, dos quais cerca de três mil estão a trabalhar a tempo parcial e os restantes aguardam pelo resultado do processo de regularização dos funcionários públicos em situação precária que está a decorrer, o PREVPAP.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.