“Com a Rússia, nós concluímos acordos (…). Se a Rússia respeitar esses acordos, nós faremos o mesmo. Infelizmente, atualmente, a Rússia não está a respeitar esses acordos”, disse Erdogan, citado pela agência de imprensa estatal Anadolu.

Essa rara crítica de Erdogan contra a Rússia ocorre após a captura de Maaret al-Noomane pelo regime de Bashar al-Assad, sendo esta uma cidade estratégica na última província rebelde da Síria, Idlib, após semanas de bombardeamentos.

A escalada da violência levou dezenas de milhares de sírios a deslocaram-se para a fronteira com a Turquia e Ancara teme um novo fluxo de refugiados no seu território.

“As nossas autoridades competentes discutem com os seus homólogos russos e dizem: ‘parem com os bombardeamentos em Idlib. Se o fizer, melhor. Se não, a nossa paciência esgotar-se-á. A partir de agora, faremos o que for necessário'”, declarou Erdogan.

Após uma grave crise diplomática em 2015, a Turquia, que apoia os grupos rebeldes, e a Rússia, que apoia Al-Assad, começaram a cooperar estreitamente na questão síria em 2016.

Erdogan e o seu homólogo russo Vladimir Putin assinaram vários acordos destinados a reduzir a violência e criar condições para um processo político, a fim de resolver um conflito que matou mais de 380.000 pessoas desde 2011.

“Não resta mais nada daquilo que se intitula Astana e Sochi”, disse Erdogan.

“O que a Turquia, a Rússia e o Irão podem fazer para revitalizar esses processos? Temos de ver”, acrescentou o Presidente turco.

O Irão, a Turquia e a Rússia patrocinam os chamados processos de Astana e Sochi, que permitiriam o estabelecimento das chamadas zonas de “diminuição da escalada” da violência e um comité constitucional.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.