Com uma resolução aprovada por unanimidade, os 15 membros estenderam o mandato da missão conjunta das Nações Unidas e da Organização para a Proibição de Armas Químicas que se encarrega de investigar quem utilizou armamento proibido no conflito sírio.

Até agora, os especialistas determinaram que o Governo sírio estaria por detrás de pelo menos três ataques com armas químicas no país em 2014 e 2015, enquanto o grupo terrorista Estado Islâmico também as teria usado pelo menos uma vez.

No entanto os membros do Conselho de Segurança ainda não conseguiram chegar a acordo sobre as sanções a aplicar aos responsáveis.

A Rússia, o grande aliado do Governo de Damasco, opôs-se a tomar medidas, argumentando que o trabalho dos especialistas internacionais têm “fragilidades” e não pode ser utilizado como base.

Na quinta-feira, os Estados Unidos e os seus aliados insistiram que é necessário obter um consenso para penalizar os responsáveis e evitar a impunidade por estes crimes.

Um acordo entre Moscovo e Washington levou a Síria, em 2013, a aceitar a destruição do seu arsenal químico após vários supostos ataques, e posteriormente o Conselho de Segurança aprovou resoluções para investigar novas denúncias.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.