A OPAQ sublinhou, em comunicado, que os especialistas “não detetaram agentes do nervo organofosforado ou substâncias resultantes de sua decomposição” nas amostras biológicas e ambientais tiradas nas semanas após o suposto ataque químico.

Não obstante, a organização explicou que “junto aos resíduos explosivos, se encontraram vários produtos químicos orgânicos clorados” nas amostras e que não se “retiraram conclusões”.

Em 7 de abril, o regime sírio realizou ‘raides’ aéreos à cidade de Douma, o último reduto da oposição que resiste em Ghouta Oriental no qual o regime sírio montou uma ofensiva para fazer cair os rebeldes, de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.