Renato Gonçalves, de 19 anos e detido na noite de segunda-feira pela Polícia Judiciária (PJ), foi presente na tarde de hoje a primeiro interrogatório no Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto, que determinou a aplicação da medida de coação mais gravosa: prisão preventiva.

À saída do TIC do Porto, em declarações aos jornalistas, Poliana Rodrigues, advogada do arguido, confirmou a aplicação da medida de coação de prisão preventiva, acrescentando que o seu constituinte “prestou declarações e contou a sua versão dos factos”.

A morte de Igor Silva, de 26 anos, durante festejos do título de campeão nacional do FC Porto, na madrugada de domingo, junto ao estádio do Dragão, deveu-se a “questões pessoais” entre a vítima e o agressor, adiantou anteriormente à Lusa fonte policial.

Fonte ligada à investigação explicou que “em causa esteve uma questão pessoal, desavenças, entre a vítima, a família do arguido e o próprio arguido”, de 19 anos, detido na noite de segunda-feira pela Polícia Judiciária (PJ).

A mesma fonte esclareceu que o episódio de violência “não se tratou de disputa de territórios, nem de guerras entre 'gangues' armados, nem teve a ver com futebol”, acrescentando que, durante as agressões, não foram usadas armas de fogo, apenas a faca que o arguido usou para esfaquear mortalmente a vítima.

O arguido, empregado de limpeza e sem antecedentes criminais, vai ser hoje presente a primeiro interrogatório judicial no Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto para aplicação de medidas de coação.

Em comunicado divulgado na manhã de hoje, a PJ dava conta da detenção, na segunda-feira, de um jovem, de 19 anos, pela prática de um crime de homicídio qualificado.

Os factos ocorreram na madrugada de domingo na cidade do Porto, “em retaliação por uma sucessão de agressões que, desde janeiro deste ano, vinham ocorrendo entre o arguido, familiares deste e a vítima”, acrescenta esta força de investigação criminal.

“Na ocasião, um grupo de indivíduos, de entre os quais o arguido, perseguiu a vítima, alcançando e agredindo a mesma com murros e pontapés”, refere a nota.

A PJ conta que, após intervenção de alguns populares, que também foram agredidos, a vítima afastou-se do local, mas viria a ser abordada pelo arguido que, “munido de uma arma branca de dimensões significativas, a atingiu repetidamente e com extrema violência, provocando-lhe a morte”.

Na madrugada de domingo, um homem de 26 anos foi esfaqueado mortalmente, tendo a PSP do Porto identificado os suspeitos das agressões que resultaram na sua morte junto ao estádio do Dragão, onde se juntaram dezenas de milhar de adeptos.

A mulher que acompanhava a vítima, e que terá tentado separar os desavindos, também sofreu ferimentos ligeiros.

O FC Porto sagrou-se no sábado campeão português de futebol pela 30.ª vez, ao vencer em casa do Benfica por 1-0, em jogo da 33.ª e penúltima jornada da I Liga.

Na segunda-feira, o FC Porto lamentou a morte de um seu adepto durante as celebrações da conquista do título nacional de futebol.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.