A contagem anterior dava conta de 2.180 mortos. “Foram encontrados novos corpos no sul. O custo humano para os três departamentos subiu agora para 2.207 mortos”, indica um relatório da proteção civil hoje divulgado.

Uma semana após a catástrofe, as operações de busca continuam nos escombros, mas a possibilidade de encontrar sobreviventes está a diminuir a cada hora.

Quase 600.000 pessoas foram diretamente afetadas pelo terramoto de 7,2 de magnitude e necessitam de ajuda humanitária urgente, de acordo com as autoridades haitianas.

Ao mesmo tempo, levar comida e água às vítimas é um desafio logístico face aos ataques a comboios rodoviários por indivíduos não identificados.

“Temos um problema de segurança que está a tornar-se cada vez mais gritante”, disse Jerry Chandler, diretor da proteção civil haitiana, citado pela agência de notícias France-Presse.

Desde o início de junho que a circulação segura é impossível no troço de dois quilómetros da estrada nacional que atravessa a zona Martissant de Port-au-Prince, a capital haitiana, que é zona de confrontos de gangues.

“Estamos literalmente a enfrentar um problema de banditismo básico, por isso estamos a trabalhar arduamente com a polícia, que vai reforçar os seus efetivos no sul”, acrescentou Jerry Chandler.

Com a destruição e danos particularmente graves nas zonas rurais remotas, as autoridades haitianas estão agora a concentrar-se na entrega de ajuda humanitária por via aérea, através de um helicóptero das Nações Unidas e oito aviões fornecidos pelos militares norte-americanos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.