Os onze juízes do STF têm até à meia-noite de hoje para votar. No entanto, os seis primeiros juízes a emitirem o seu veredicto — Rosa Weber, Alexandre de Moraes, Carmen Lúcia Antunes, Edson Fachin, Dias Toffoli e Cristiano Zanin — apoiaram Dilma Rousseff na manutenção dos seus direitos políticos.

O tribunal toma esta posição em resposta a uma ação movida por vários parlamentares de oposição que questionaram a decisão do Congresso brasileiro de permitir que a ex-presidente brasileira continuasse a exercer cargos públicos.

O mandato de Dilma Rousseff foi encerrado em 2016 depois que ambas as casas parlamentares do Congresso brasileiro consideram que ela cometeu crime de responsabilidade por ter realizado “pedaladas fiscais”, expressão usada para descrever uma manobra contabilística para dar a impressão de que foi arrecadado mais do que o esperado.

Não tendo perdido os direitos políticos apesar da destituição, Dilma Rousseff concorreu em 2018, sem sucesso, para ocupar uma cadeira no Senado por Minas Gerais.

Já em 2023, com a chegada do Governo do atual Presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, a sua figura política foi revalorizada e ela foi designada para ocupar a Presidência do banco de desenvolvimento dos BRICS até 2025.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.