O Obamacare  nunca foi tão popular como agora. Passados sete anos desde o seu anúncio, e com muita polémica pelo meio, os números indicam que os norte-americanos aprovam a continuidade do Affordable Care Act (ACA), nome oficial, colocando Trump a navegar contra a maré. É isto que mostram as estatísticas.

De acordo com a Kaiser Heath Tracking Poll, 48% dos inquiridos tem uma opinião favorável à lei, contra os 42% que a ela se opõem. É, de resto, o valor mais alto alguma vez registado pela Kaiser Family Foundation, que desde 2010 já realizou mais 60 estudos sobre esta temática.

Também o Pew Research Center reflete um sentimento positivo face ao ACA. Segundo o think thank (centro de estudos) norte-americano, 54% defende a continuidade da lei, enquanto 43% tem uma opinião desfavorável. Escreve o centro que os números mostram uma inversão da tendência, já que ao longo dos últimos anos o sentimento negativo era predominante.

Falam os números, mas também as pessoas. No fim de janeiro, a maior parte dos médicos norte-americanos posicionavam-se contra a decisão de revogação de Donald Trump. O autor do estudo, Craig Pollack, professor de Medicina defendia: "o que ouvimos é que a maioria dos médicos de cuidados primários está aberta a mudanças na lei, mas esmagadoramente contra a sua completa derrogação".

Conhecendo ou não estes números, a vontade do chefe de estado norte-americano mantém-se inalterada e até já foram dados os primeiros passos. Esta quinta-feira, o vice-presidente de Donald Trump, Mike Pence, afirmava: “o pesadelo norte-americano Obamacare vai acabar”. “Apesar dos esforços de ativistas liberais, o povo americano fala mais alto”, acrescentou.

Por agora, os números dizem que não é essa a vontade do povo americano. Enquanto Donald Trump diz que não, os norte-americanos dizem que sim à reforma de Barack Obama que pretende aumentar a qualidade, a disponibilidade e o acesso a seguros de saúde, privados e públicos. Estima-se que 44 milhões de norte-americanos, até então sem qualquer cobertura, passem assim a ter esta proteção.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.