Segundo um comunicado da Casa Branca, Trump falou ao telefone com Abiy Ahmed e expressou o compromisso dos Estados Unidos em “trabalhar com o Governo da Etiópia”.

“É um parceiro de longa data e um amigo dos Estados Unidos. Vamos trabalhar também com as autoridades internacionais de aviação civil para determinar a causa do acidente”, refere o documento.

A nota acrescenta que o primeiro-ministro da Etiópia agradeceu a disponibilidade de Trump para esclarecer a razões que levaram à queda do avião, um Boeing 737 MAX 8, pouco depois de descolar de Adis Abeba a caminho Nairobi, capital do Quénia.

Em outubro do ano passado, outro Boeing 737 MAX 8, mas da companhia Lion Air, despenhou-se na Indonésia, 12 minutos após a descolagem, segundo uma das caixas negras devido a falha no sistema automático, causando 189 mortos.

Na sequência do acidente no domingo, a Agência Europeia de Segurança Aérea proibiu dois dias depois o modelo 737 MAX 8 de operar no continente europeu, juntando-se a 20 países e 30 companhias aéreas de todo o mundo que suspenderam os voos com esses aparelhos.

As duas caixas negras do avião Boeing 737 MAX 8 da Ethiopian Airlines serão analisadas em França, indicou o organismo francês de Investigação de Acidentes Aéreos.

A Boeing anunciou a suspensão da entrega de aeronaves do modelo 737 MAX, mas garantiu que a produção continua.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.