1. O que um Senado republicano pode implicar para os EUA

Apesar de Joe Biden já ter garantido votos suficientes para ser eleito como o próximo Presidente dos EUA, os republicanos têm atualmente a maioria dos lugares no Senado (50 republicanos contra 48 democratas). Por isso, embora Biden queira colocar já em prática o seu plano climático, estará dependente das duas cadeiras que faltam contabilizar na Geórgia.  

Planeta A

Uma volta ao mundo centrada nos temas que marcam.

Todas as semanas, selecionamos os principais trabalhos associados à rede Covering Climate Now, que o SAPO24 integra desde 2019, e que une centenas de órgãos de comunicação social comprometidos em trazer mais e melhor jornalismo sobre aquele que se configura como um tema determinante não apenas no presente, mas para o futuro de todos nós: as alterações climáticas ou, colocando de outra forma, a emergência climática.

Perante esta conjuntura, a jornalista Emily Holden, do The Guardian, explica, a partir de Washington, que, “provavelmente, existirão gastos em larga escala em infraestrutura verde, como energia renovável, veículos elétricos e transporte público. Mas qualquer esperança de requisitos climáticos para as empresas, como um padrão de energia limpa, é ínfima”.

Se Biden conseguir aprovar o seu plano climático na totalidade, as emissões dos EUA nos próximos 30 anos reduziriam-se em cerca de 75 giga toneladas, evitando um aumento da temperatura em 0,1º C até 2100, de acordo com o Climate Action Tracker. Pode parecer um número pequeno, mas tornar--ia possível diminuir significativamente os danos da crise climática e também estimular a redução da poluição em outros países.

Para ler na íntegra em The Guardian 

Presidents from the Northern Triangle of Central America meet with US and Mexican representatives in Guatemala
créditos: Lusa

2. O percurso que a América tem de fazer para voltar ao Acordo de Paris

Os EUA saíram oficialmente do Acordo de Paris na semana passada, sob a administração de Trump, mas Biden já garantiu que o país irá regressar. O órgão de comunicação social InsideClimate News explica o que novo presidente norte-americano terá de fazer para voltar ao acordo internacional. 

A tarefa de tornar os EUA um país mais verde é mais complicada do que pode parecer, mas “necessária”, diz o jornalista Bob Berwyn. Para que tal aconteça Biden precisa do apoio de vários setores da sociedade americana: “se for apoiado por políticas climáticas nacionais ambiciosas, uma recuperação verde, tiver o apoio do Congresso e um impulso renovado para a colaboração internacional em várias iniciativas climáticas, a reentrada dos EUA poderia ajudar a revigorar os esforços mundiais para a transição para uma economia de carbono zero líquido até 2050”, explica o artigo. 

Para ler na íntegra em InsideClimate News 

3. Políticos americanos que votaram contra o clima receberam mais dinheiro de empresas 

Uma análise da Bloomberg Green às contribuições corporativas durante a campanha revelou que a grande maioria do dinheiro - mesmo de empresas que têm planos climáticos divulgados - foi atribuído a legisladores que votaram contra medidas de ação ação climática. 

Dos 68 milhões de dólares doados aos membros do Congresso e do Senado desde 2018, metade foi para candidatos que votaram a favor de legislação para a ação climática 10% ou menos das vezes - o equivalente a uma pontuação vitalícia de 10% na League of Conservation Voters, uma organização sem fins lucrativos norte-americana que defende que os valores ambientais devem passar a ser prioridades nacionais. Nesta categoria estão incluídos 40% dos membros do Congresso. 

Por cada dólar que um membro do Congresso que votou a favor de medidas de ação climática durante estes últimos quatro anos recebeu, quem votava contra recebia 1,84 dólares - quase o dobro do valor. 

Para ler na íntegra em Bloomberg 

Book in Loop - Ambiente
Book in Loop - Ambiente

4. Mudar para hábitos sustentáveis não é sinónimo de gastar mais dinheiro 

O YEARS Project lançou uma série de vídeos explicativos sobre sustentabilidade, demonstrando como os americanos não precisam de sacrificar o seu estilo de vida para enfrentar a crise climática. Caso os Estados Unidos utilizassem mais energia renovável poderia inclusive ajudar a economizar milhares de dólares a famílias americanas todos os anos, impulsionar uma economia pós-Covid e criar dezenas de milhões de empregos.

A chave, diz Saul Griffith, é fornecer um financiamento inicial que garanta uma mudança na produção de energia de combustíveis fósseis para eletricidade gerada por energia solar, eólica e outras fontes não carbono. 

Ver vídeos aqui, aqui e aqui.

Por cá: Projeto Ding Dong quer mostrar as iniciativas verdes que Portugal tem para oferecer

Uma viagem sustentável para um destino verde dentro do país. Foi este o desafio que o Ding Dong, um projeto financiado pela União Europeia, propôs a três diferentes influencers portugueses: Catarina F. P. Barreiros, Anna Masiello e Afonso Cabral Lopes.

O desafio Ding Dong funciona como uma espécie de corrida de estafetas, com passagens de testemunho. A Catarina irá partir de Lisboa e viajar até Santarém, onde passará a "pasta" à Anna, que visitará Arouca e que, por sua vez, passará o testemunho ao Afonso, que termina a viagem no Gerês. A viagem poderá ser acompanhada nas redes sociais de cada um, bem como nas páginas do projeto Ding Dong. Mas afinal de contas, o que é o Ding Dong?

O objetivo do Ding Dong é mostrar os melhores projetos verdes, ativos em diferentes partes do país, ao mesmo tempo que ensina como fazer viagens com o mínimo de impacto ambiental possível. A iniciativa não decorrer apenas em Portugal, há outros quatro países se juntaram ao projeto: Bélgica, Alemanha, Grécia e Lituânia. Ou seja, um total de 15 influencers de cada um destes países vão visitar mais de 70 projetos verdes nos seus territórios. 

A campanha durará seis semanas, desde a preparação para a viagem, o percurso e, claro, o destino final: a visita a projetos sustentáveis, onde os criadores de conteúdo irão participar fisicamente num grande "desafio verde" com o resto da comunidade. Além disso, haverá mini-desafios que lhes são lançados ao longo da viagem, promovendo a sustentabilidade em várias áreas e tarefas. Exemplos? Viajar com apenas cinco peças de roupa ou como fazer compostagem com caixas de esferovite. 

Para ler na íntegra no SAPO24

Edição e seleção por Larissa Silva

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.