“É necessária uma autorização do ministro das Finanças para substituir um enfermeiro ausente por doença ou licença parental e há hospitais que estão à espera por mais de três meses para substituir um profissional”, afirmou a bastonária Ana Rita Cavaco, em declarações à agência Lusa.

A responsável lembra que o próprio diploma que instituiu a obrigatoriedade da autorização do Ministério das Finanças define que esse aval tem de ser dado num prazo de 72 horas.

Segundo Ana Rita Cavaco, a carência de enfermeiros “tem vindo a agravar-se” e a contratação imediata de profissionais para substituição de colegas ausentes tem sido dificultada.

São vários os exemplos de unidades de saúde com dificuldades, refere a bastonária, que na terça-feira vai visitar o Centro Hospitalar Tondela-Viseu, “onde a grave carência de enfermeiros já motivou demissões em bloco”.

A Ordem refere ainda que um abaixo-assinado, com quase uma centena de subscritores, foi também enviado ao Ministério da Saúde e às câmaras municipais de Tondela e Viseu, alertando para o problema daquele Centro Hospitalar.

A exposição, também enviada à Ordem, manifesta que a carência de enfermeiros se tem agravado, “ao ponto de as condições de trabalho porem em causa a segurança dos próprios profissionais e dos doentes”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.