A lista de manuscritos engloba ainda folhas de cálculos matemáticos de finais dos anos 40, cartas dirigidas a colaboradores e correspondência mais pessoal, como uma carta enviada ao filho Hans Albert.

A coleção de manuscritos foi adquirida pela universidade a um colecionador norte-americano e nela figura uma página de um apêndice de um artigo de 1930 sobre os esforços de Einstein para elaborar uma teoria do campo unificado.

O apêndice, que tinha oito páginas, nunca foi publicado. Os peritos sabiam da existência de uma página que faltava, mas nunca a tinham visto. Grande parte dos documentos que foram adquiridos estava acessível sob a forma de cópias.

A Universidade Hebraica de Jerusalém foi fundada por Einstein e detém o mais importante acervo documental do mundo sobre o físico.

No seu testamento, Albert Einstein legou à universidade todos os seus escritos e o seu património intelectual, que inclui o direito ao uso da sua imagem, como a célebre fotografia em que aparece com a língua de fora.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.