A iniciativa é da proTEJO - Movimento pelo Tejo, numa atividade que pretende "consciencializar" as populações ribeirinhas para a conservação do rio, procurando realçar a "necessidade de regulamentação" da gestão de barragens e açudes que garanta um regime fluvial adequado à prática de atividades náuticas e à migração e reprodução das espécies piscícolas.

Em declarações à agência Lusa, Paulo Constantino, porta-voz daquele movimento, defendeu hoje a necessidade de "regras" que integrem "verdadeiros caudais ecológicos" e uma continuidade fluvial proporcionada por passagens para peixes eficazes e para embarcações de pequeno porte, relativamente a uma iniciativa que visa a "defesa e a valorização dos rios como património cultural e de identidade", sendo a sua defesa "vital" para as cidades e povoações situadas nas suas margens, que "tendem a perder a sua personalidade quando os rios se degradam ou são desvirtuados os seus leitos", destacou.

"Esta é uma manifestação de interesses pela boa saúde do rio e da sua fauna e flora", afirmou Paulo Constantino, acrescentando que a iniciativa é também "um alerta sob a forma de protesto contra a sobre-exploração a que o Tejo se encontra submetido em resultado do aumento dos transvases".

Em terras portuguesas, continuou, "o Tejo continua com os mesmos problemas que em Espanha, quanto aos caudais insuficientes, a poluição e as barreiras à conetividade fluvial, provando-se que a defesa dos rios ibéricos ultrapassa as fronteiras administrativas e une os cidadãos".

A ação "Vogar Contra a Indiferença", que assinala no sábado a sua quinta edição, foi hoje apresentada no Cais das Colinas, em Mouriscas, freguesia ribeirinha do concelho de Abrantes de onde vai partir a comitiva, contando com acampamento e descida em canoa com destino ao Aquapolis, em Abrantes, "realçando a beleza do património natural e cultural associado a este troço do rio Tejo e que culminará num almoço convívio em Mouriscas".

Nesta atividade, que já tem "mais de 50 pessoas inscritas, entre elas duas dezenas de espanhóis", vai decorrer num percurso de cerca de nove quilómetros e onde os participantes vão fazer a travessia "por portagem" no travessão construído junto à Central Termoelétrica do Pego.

"É um troço do percurso que terá de ser feito a pé, com as canoas a ombro, um problema para o qual pretendemos chamar a atenção para a necessidade da sua resolução", disse Paulo Constantino, numa ação em que irá ainda proceder-se à leitura da Carta Contra a Indiferença, e na qual se evidencia a "necessidade de promover a navegabilidade do rio Tejo e defender um Tejo vivo com caudais suficientes e sem poluição, no âmbito de uma gestão sustentável da água na bacia hidrográfica do Tejo ibérico", destacou o dirigente do proTEJO.

A atividade é organizada pelo proTEJO e pelas Colinas do Tejo, empresa turística de valorização de recursos naturais e ribeirinhos, contando ainda com o apoio da Junta de Freguesia de Mouriscas.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.