"Queremos que se faça luz sobre o período sombrio da ditadura militar e o comportamento dos responsáveis da época no Brasil e possivelmente também na Alemanha", declarou em comunicado a diretora do departamento jurídico do grupo, Christine Hohmann-Dennhardt.

A direção escolheu o historiador independente Christopher Kopper, professor na Universidade alemã de Bielefeld, para essa tarefa.

"Vamos determinar o papel da empresa durante a ditadura militar no Brasil com a perseverança e coerência necessárias, da mesma forma que o fizemos de forma precoce e exaustiva em assuntos como o passado nazi e recurso ao trabalho forçado", afirmou Hohmann-Dennhardt.

Antigos trabalhadores e ativistas apresentaram em setembro de 2015 uma queixa no Brasil na qual acusam a Volkswagen de ter permitido perseguições e a tortura de trabalhadores que se opunham ao regime militar (1964-85).

Segundo a acusação, 12 trabalhadores foram detidos e torturados na altura na fábrica da Volkswagen de São Bernardo do Campo, nos arredores de São Paulo. A empresa é ainda acusada de ter elaborado "listas negras" de opositores à ditadura.

No comunicado, o grupo alemão indicou que está a procurar um novo diretor para a divisão de comunicação histórica, depois da saída do responsável por este departamento.

Manfred Grieger deixou a empresa no final de outubro, depois de ter criticado publicamente um estudo interno sobre o passado nazi da Audi, uma das marcas do grupo, considerando que essa análise estava incompleta e minimizava os factos.

De acordo com a agência alemã DPA, a saída estaria relacionada com uma reprimenda da administração sobre essa tomada de posição sem autorização.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.