Pontos essenciais:

  • O vulcão Whakaari / White Island, na Nova Zelândia, entrou em erupção esta segunda-feira;
  • Até ao momento, foram confirmadas cinco vítimas mortais, dezenas de feridos e oito pessoas desaparecidas;
  • Trinta e um pessoas estão a receber tratamento em sete hospitais da região;
  • No momento da erupção, encontravam-se na ilha pelo menos 47 pessoas, muitas delas turistas;
  • As autoridades afirmam não ter encontrado "sinais de vida" na ilha depois de realizados vários voos de reconhecimento;
  • As operações de socorro vão continuar, com o exército a enviar um navio para avaliar a situação no local através de drones.

As autoridades na Nova Zelândia confirmaram cinco vítimas mortais na sequência da erupção do vulcão Whakaari / White Island.

Pelo menos oito pessoas continuam desaparecidas, 31 pessoas encontram-se a receber tratamento em sete diferentes hospitais e três feridos já tiveram alta, avança a polícia, num comunicado emitido ao início da manhã de terça-feira na Nova Zelândia (final da tarde de segunda-feira, em Portugal).

As autoridades adiantam ainda que os operadores turísticos reportaram a presença de 47 pessoas na ilha no momento da erupção. Os primeiros números apontavam para cerca de 50 pessoas no local - a maioria, 30 a 38 pessoas, eram passageiros do cruzeiro "Ovation of the Seas".

Apesar de vários voos de reconhecimento para tentar encontrar as pessoas retidas, "nenhum sinal de vida foi observado no local", explicou a polícia num comunicado emitido às 00h06 de terça-feira (hora local; início da tarde em Portugal),

“Os helicópteros da polícia e das equipas de socorro bem como um avião militar neozelandês realizaram uma série de voos de reconhecimento sobre a ilha desde a erupção”, pode ler-se no comunicado.

"Com base nas informações disponíveis, não acreditamos que existam sobreviventes na ilha", disseram as autoridades, acrescentando que todas as pessoas que podiam ter sido salvas foram resgatadas no momento da evacuação. As forças de segurança "estão a trabalhar ativamente para estabelecer o número exato de pessoas que morreram".

As operações de socorro prosseguirão ao início da manhã, estando prevista a aproximação à ilha por um navio do ministério da Defesa neozelandês para avaliar a situação através de drones e de outros equipamentos de observação, explicam as autoridades.

O subcomissário da polícia John Tims explicou que a atividade vulcânica torna as operações de resgate muito perigosas.

A erupção, ocorrida às 14:11 locais (01:11 em Lisboa) libertou uma espessa nuvem de fumaça branca até uma altura de 3,6 quilómetros.

 A primeira confirmação da vítima mortal foi feita por John Tims, que mais tarde confirmou que o número se elevou para cinco vítimas mortais e que a polícia continua sem saber quantas pessoas permanecem no local.

“Um conjunto de pessoas foi levado para o hospital. Há pessoas com queimaduras em resultado da erupção. Ainda é muito cedo para a polícia poder confirmar quantas pessoas estão envolvidas, incluindo quantas estão ainda na ilha".

Filmagens partilhadas nas redes sociais - e aqui editadas pelo jornal The Guardian - mostravam pessoas ainda na ilha e também um helicóptero que caiu no local, sem feridos a registar segundo informações disponíveis.

Passava das 14h [hora local; menos 12 horas em Lisboa] quando um vulcão situado na Nova Zelândia entrou em erupção. Inicialmente estimava-se que estivessem cerca de 100 pessoas na área envolvente, mas o número acabou por ser corrigido pelas autoridades para cerca de 50, tendo sido lançada uma ação de resgate com o objetivo de as retirar de lá.

Às primeiras horas da manhã, o Guardian Australia avançava que 20 poderiam estar feridas, citando a St John Ambulance, uma das entidades envolvidas no resgate.Uma informação confirmada pela primeira-ministra, Jacinta Arden, poucos minutos depois: “Nesta altura, e por favor mantenhamos presente que é uma situação em evolução, acreditamos que cerca de 100 pessoas estão no local ou perto e neste ponto algumas estão desaparecidas".

O vulcão White Island localiza-se a 48 quilómetros de Bay of Plenty, na costa este do norte da Nova Zelândia. É um local popular nos circuitos turísticos e também na pesquisa científica.

A erupção foi visível nas imagens de satélite:

Na sequência da erupção foi emitido um alerta nacional avisando as pessoas dos riscos que as cinzas do vulcão poderiam ter na saúde. Na cidade de Whakatāne, a que se situa mais perto da White Island, as estradas foram fechadas e o hospital local foi transformado no centro das operações de emergência.

"Os efeitos de uma erupção vulcânica podem fazer-se sentir a muitos quilómetros de distância do vulcão", disse a polícia neozelandesa que deixou várias recomendações à população, desde que se mantivessem dentro de casa ao uso de proteção, como máscaras ou óculos, se fossem apanhados no exterior em zona com cinzas vulcânicas no ar. Já durante a madrugada confirmou-se que os efeitos das cinzas estariam confinados à ilha, não sendo esperados efeitos noutros locais mais afastados.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, ofereceu ajuda à Nova Zelândia e confirmou que há australianos no local e que estão a tentar determinar como se encontram.

A última erupção deste vulcão teve lugar em 2016, segundo a agência neozelandesa GeoNet, mas não provocou qualquer vítima nessa ocasião.

(Última atualização às 19h35)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.