No seu discurso aos ucranianos, na noite de sábado, Volodymyr Zelensky afirmou que a agressão russa “não se destinava a ser limitada apenas à Ucrânia” e que “todo o projeto europeu é um alvo para a Rússia”.

“É por isso que não é apenas dever moral de todas as democracias, de todas as forças europeias, apoiar o desejo de paz na Ucrânia”, disse, sublinhando que “isto é, na realidade, a estratégia de defesa para todos os Estados civilizados”.

O discurso do Presidente da Ucrânia foi divulgado enquanto, na zona leste do país, civis continuavam a fugir perante a iminência de um ataque russo e os bombeiros procuravam sobreviventes numa cidade no norte do país, de onde as forças russas saíram.

Nesta intervenção, Zelensky agradeceu ainda aos primeiros-ministros do Reino Unido e da Áustria pelas suas visitas, este sábado, a Kiev e por promessas de mais apoio.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.626 civis, incluindo 132 crianças, e feriu 2.267, entre os quais 197 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra já causou um número indeterminado de baixas militares e a fuga de mais de 11 milhões de pessoas, das quais 4,3 milhões para os países vizinhos.

Esta é a pior crise de refugiados na Europa desde a II Guerra Mundial (1939-1945) e as Nações Unidas calculam que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.