A lei dará aos ucranianos que “residem temporariamente” na Polónia “as mesmas oportunidades que os polacos”, disse Volodymyr Zelensky, num discurso.

A ofensiva militar lançada pela Rússia na Ucrânia em 24 de fevereiro já causou a fuga de mais de 14 milhões de pessoas das suas casas, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Mais de seis milhões fugiram para os países vizinhos, com a grande maioria a dirigir-se para a Polónia.

No dia em que o Presidente polaco, Andrzej Duda, visitou Kiev, Zelensky disse ainda que o país vai introduzir um controlo aduaneiro conjunto com a Polónia.

“Isso acelerará significativamente os procedimentos de fronteira. Eliminará a maioria dos riscos de corrupção. Mas também é o início da nossa integração na área aduaneira comum da União Europeia. É um processo verdadeiramente histórico”, disse Zelensky.

Numa conferência de imprensa conjunta com Duda, o Presidente ucraniano reiterou a esperança de que, em junho, a Ucrânia obtenha o estatuto de candidato à UE.

“Pessoalmente, não descansarei até que a Ucrânia passe a ser membro da União Europeia”, afirmou Andrzej Duda.

Mais tarde, em conferência de imprensa, o chefe de Estado polaco pediu aos líderes da UE e destacou o grande significado psicológico e político de conceder à Ucrânia o estatuto de candidato na reunião do Conselho Europeu, que se realiza em final de junho.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.