À hora combinada, 7h30, chegámos ao Caixa Futebol Campus do Seixal, Centro de Estágio do Sport Lisboa e Benfica. Os seguranças tinham o nome registado. Entrámos. Visto de fora parece uma espécie de prisão de Alcatraz. Lá dentro, nove campos de futebol espalhados por 19 hectares. Os artistas vestidos de encarnado pisam os tapetes onde são gastos 700 kg de fertilizante por mês. O verde é a cor dominante. Há árvores e jardins, muito terreno livre, o que nem sempre acontece noutras academias em que muito dos espaços disponíveis são desenhados a regra e esquadro para as 4 linhas.

Quem chega de novo recebe no e-mail (nomedojogador@benfica.pt) 90 páginas de um regulamento interno de funcionamento. Está lá tudo. Multas e comportamentos, código de conduta e horários. Para ler e ser avaliado através de um teste.

É hora do pequeno-almoço, uma das refeições obrigatórias. “Há pão, queijo e fiambre, cereais mais saudáveis, batidos, fruta, leite, compotas, manteiga de amendoim e ovos mexidos três vezes por semana”, discrimina Diana Granja, nutricionista. Espécie de mãezinha que “obriga” os miúdos a comerem sopa e legumes, não ficou nada contente com a presença ali de uma máquina de doces. “Vamos substitui-la”, afastando o fruto proibido de olhares e paladares. “Há alturas em que podem comer um chupa-chupa, mas ter aqui à mão não era bom”, ri. Mas nem tudo é mau: em dias de jogos levam um “miminho” em forma de “gelado”.

Dos 65 miúdos que vivem no Seixal, a que se juntam 18 alojados em famílias de acolhimento, uns vão para a escola, outros calçam as chuteiras e transportam a bola debaixo do braço a caminho dos treinos.

O autocarro, 61 lugares, está à porta do Centro de Estágio. Destino: Escola José Afonso, escolhida pelo Gabinete de Apoio Socio Escolar. Miúdos de todas as idades entram, um a um, pausada e ordeiramente. Ouvem música nos headphones, teclam nos telemóveis, vestem camisolas do Benfica e calçam ténis. O condutor tem a lista de presenças. À entrada um pedido sui generis: “assina aí o meu nome”, escutou-se.

Na bomba combustível da Repsol, entram três jogadores...perdão...alunos. A escola está a uns breves minutos de distância. Francisco Morais, 15 anos, veio de Guimarães e cumpre a segunda época no Seixal. Central, estuda Design de Computadores, mas assume que o futuro passa pelos pés. Sandro Cruz, lateral esquerdo, 15 anos, três de Benfica, veio de Braga “em busca do sonho”. Está no 9º ano. Tocou. Entraram.

Um vídeo de Chalana como fonte de inspiração

De regresso ao Seixal há treinos a decorrer. Os sub-19 jogaram na véspera na UEFA Youth League. Uns recuperam do esforço, outros “dão o litro”. José Henriques, antigo guarda-redes imortalizado como “Zé Gato”, sentado num carro elétrico, fala de Ederson, que viu naqueles relvados e hoje é titular da baliza das águias.

É team manager, cargo que ele e outras velhas glórias ganharam no Seixal. Por lá andam Nené e Chalana. Este último tem direito a um vídeo motivacional para ser visto por quem entra pela primeira vez no Seixal. “As fintas, no Benfica, na seleção e no Bordéus servem de inspiração”, esclarece Filipe Alves, responsável pela visita às instalações do Caixa Futebol Campus.

10 elementos da estrutura acompanham e analisam o treino. Pertencem à Benfica LAB. Há câmaras de filmar colocadas estrategicamente. Tudo é monitorizado e será devidamente informatizado, tratado e guardado.

5, 4, 3, 2, 1... bola a 120km/h dominada em jogada de laboratório

O simulador de treino 360S é palco de uma experiência única. Sentimo-nos como um rato de laboratório a pisar relva sintética. Inaugurado em 2014, há luzes LED, cores florescentes, um centro de terreno, quatro balizas, quatro canhões em cada um dos lados do quadrado e bolas a saírem projetadas de 20 km/h a 120 km/h.

Pouco espaço para agir, pouco tempo para pensar e executar. É pura ficção científica transformada em realidade. “O 360s procura, em certa medida, recriar algumas das questões técnicas, táticas, físicas e exigências da tomada de decisão dos jogadores em campo”, explica Nuno Maurício, responsável da Benfica LAB.

Os exercícios são controlados por tablet. Tudo programado às diversas posições. Da teoria à pratica fizemos o gosto ao pé. 5, 4, 3, 2, 1... ouve-se. Sai bola disparada do canhão. Controlada. Passámos. Apoio frontal, jogo em profundidade, temos que optar. O jogador “faz de conta”, que veste de azul, receciona. Mais uma bola projetada, mais uma receção. Hora do remate. Falhámos o golo.

A nossa avaliação ficou registada para conhecimento interno duma estrutura composta por 24 pessoas que engloba fisiologia, nutrição e observação. Neste último, uma revelação. “No estádio temos um sistema de traking, só nosso, que permite, para além, dos nossos dados físicos e estratégicos, ler o adversário. Nos jogos fora de casa temos outras ferramentas...”, anuncia. “Quase um SIS no bom sentido”, sorri.

10332 relatórios de jogos, 2683 jogadores referenciados e 128 contratados

Caráter. Personalidade. Podemos ver 20 jogos...não é fácil ver logo, mas dita a experiência, quando falamos com os pais, identificamos padrões de comportamento, conseguimos detetar talento”. Pedro Ferreira, responsável pelo Scouting e Observação, fala do ABC deste trabalho feito em casa e a nível nacional por 54 colaboradores remunerados e 118 não remunerados. “O vídeo vale pouco. Perder, ou antes, ganhar o tempo a ver jogos, vale muito mais”, continua.

No flashback da época passada saem números. Os observadores percorreram 206 mil quilómetros. Foram escritos “10332 relatórios de jogos observados, 1170 de torneios, 5443 de avaliação de jogadores” de que resultaram “2683 jogadores referenciados”, dos quais “1460 vieram a treinos de captação” e “509 estiveram presentes em treinos integrados”, discrimina. No final, tudo espremido, 128 jogadores contratados. “Já perdemos uns, ganhámos outros”, assume. São as regras de um jogo que “obriga a fazer mais quilómetros, a observar, filtrar e escolher cada vez mais os melhores”.

José Saramago escrito nas paredes

Às 13h15, nova correria à entrada do Centro de Estágio. No refeitório geral convivem as 10 equipas da formação. As presenças são controladas “por três monitores que aqui vivem, que estão todos os dias da semana a toda a hora”, explica Filipe Alves. Faltas sem justificação “dão multa de 20 euros”. O trabalho não se esgota na vigilância. “Acompanham os miúdos em tudo o que é necessário. Estão no refeitório enquanto comem, durante a noite se algum deles tem febre, dores de cabeça ou medo”, acrescenta Catarina Santos, diretora do Apoio Socio-Escolar.

Nas paredes há frases. Destaca-se uma: “No Benfica, a vitória tem algo negativo: nunca é definitiva” escrita por José Saramago. Convive com outras que não levam selo de Prémio Nobel, mas antes chancela presidencial de Luís Filipe Vieira.

A sã convivência que hoje existe entre formação e plantel principal, que tem um espaço reservado para o pequeno-almoço, é alimentada ao almoço ou jantar. É aqui que entra a sopa e os legumes já referidos e “dois pratos de peixe e de carne”, diz a nutricionista que trata da balança dos futuros craques. “Fazemos avaliações periódicas de peso, altura, massa gorda e intervimos individualmente”.

“Não bater com as chuteiras na parede”, lê-se num aviso

Se Saramago pode inspirar, a frase “não bater com as chuteiras na parede”, avisa quem entra na área reservada à formação. Incumpridores pagam multa. O cumprimento entre todos, miúdos e hierarquias, é obrigatório. Todos os dias, a qualquer hora. Nuno Gomes passa e faz hat-trick de apertos de mãos.

Há salas de treinadores e de psicólogos. Na sala de musculação, fisiologistas acompanham a recuperação de lesões. Na sala de lazer, as mesas dos matrecos identificam os rivais Porto e Sporting. O Snooker tem pano vermelho. Pelas cinco rouparias passam 16 toneladas de roupa por mês.

Na sala de estudo, dois professores ajudam. Até ao 9º ano “é obrigatório durante 45 minutos”. Más notas dão direito a mais tempo de estudo, alerta Catarina Santos. “Fazemos questão que a escola corra bem. Estar aqui pode iludir e nós puxamos para outra realidade”, sustenta a responsável do departamento que trata de tudo o que não diz respeito ao futebol. “As visões (e ilusões) dos jogadores têm muito a ver com a visão dos pais. Na parte do futebol, gostariam de intervir mais e são travados. Na parte escolar, às vezes gostaria que interviessem mais... felizmente vão tendo mais noção que os filhos podem não chegar lá e é importante que invistam na escola”.

Aos 17 anos, Diogo Pinto, sub18, tem dois anos de Seixal. Veio de Leiria, onde jogou um ano, depois de ter estado em Alcochete (Sporting) desde os 13, idade com que saiu da casa dos pais. É médio interior. Quer “chegar lá”. Paralelamente, dá importantes passos na escola. Estuda à noite por causa dos treinos. Está no 12º ano e com as portas abertas para o Curso de Relações Internacionais, no qual quer matricular-se.

A família é o seu suporte. Fala “duas a três vezes por dia” com os pais. As origens (Tomar) estão tatuadas no corpo com a Ordem dos Templários. “É uma forma de estar próximo da família”, atira. E este ano tem a companhia do irmão (13 anos).

Arrumadinho define-se como “normal”, uma normalidade que espera ter no olhar de quem, na escola, o vê como alguém que joga no Benfica. Com três mil seguidores no Instagram, gosta de Playstation e de fazer o “treino invisível, a descansar”. Tal como outros craques made in Seixal namora com uma geração de raparigas born in Seixal. “É um must namorarem com jogadores do Benfica”, graceja Filipe Alves.

O filho do Sérgio Conceição, o guarda-redes campeão do mundo de Pentatlo, o primo do Renato e o guineense que treinou e ficou

O dia aproxima-se do seu fim. Caminhamos ao lado do cicerone Filipe Alves. Aponta para o hotel e para os campos. Fala do alargamento da infraestrutura (mais 30 quartos) e da eventual “anexação” do campo do Seixal FC. Mas há mais. Na cabeça de Luís Filipe Vieira pode estar um Campus à americana, desvenda. “Ter uma escola dentro da academia, controlar tudo dentro de portas, afastar o problema dos horários escolares. Temos miúdos que acabam os treinos as 21h00 e vão para Évora e Nazaré”.

A atividade não dá tréguas. Dois ingleses correm. Fazem parte de uma escola que está no Centro de Estágios do Benfica. É normal ter gente de fora a estagiar. “Estamos sempre cheios, no inverno, Páscoa e no verão com o Elite Training Camps”, sublinha. “É um programa exigente que dá a atletas do mundo inteiro as vivências exatamente iguais aos nossos, passando pelo 360s e acompanhamento do gabinete de nutrição. “No ano passado tivemos 204 jogadores de 44 países. Pagam por uma semana 1300 euros, é uma fonte de receita”, garante. E é também uma chance para alguns.

Foi através desta via que Umaro Embaló, guineense que joga na seleção portuguesa, entrou para o Seixal. Treina ao lado de um dos filhos do Sérgio Conceição, que se faz ouvir a todo o instante. Fala com o guarda-redes João Valido, campeão do mundo e europeu de Pentatlo Moderno (ao serviço do Setúbal), com o primo de Renato Sanches, com o colega bósnio e com outro filho de mãe portuguesa e pai americano.

João Santos, Diretor Técnico da Formação, é orientador dos técnicos da formação: 35 técnicos, adjuntos, fisiologistas, treinadores de guarda-redes e analistas. Fala sobre futebol. E do que se faz no Seixal. “Procuramos não formatar o jogador. Aproveitamos o talento natural e adaptamos ao modelo. Afinamos parafusos e folgas”, resume.

Admite que copia e é copiado. Mas nada é “robotizado”, avisa. Há criatividade e liberdade dada dentro de parâmetros definidos. “Cada vez mais é a qualidade individual que é determinante. A tomada decisão faz a diferença entre o grande jogador e o assim-assim”, sustenta.

Tudo é discutido em reuniões. Há várias. E depois há uma reunião mensal, numa espécie de “Conselho Geral no qual estão treinadores, todos, Rui Vitória incluído, LAB e o presidente, formação, pupilos, toda a gente”, explica. 

23h00: hora para dormir com as estrelas

O Centro de Estágio do Benfica celebrou 10 anos no passado dia 22 de setembro. Inconformismo é o lema do ano. “Não podemos estar satisfeitos com aquilo que fazemos, há aspetos a melhorar...outros inovar...”, sustenta o Diretor Técnico da Formação. Renato Sanches é “o exemplo do que é possível fazer”.

É noite escura. Os treinos vão chegando ao fim. Os jantares são servidos. Há quem regresse da escola e quem siga a vida para fora do Caixa Futebol Campus. Há menos movimento. Quem lá vive, recolhe aos quartos. Diogo Pinto e o irmão conversam.

23h00. Luzes apagadas. Hora de recolher e dormir. Um clarão provocado por telemóveis e tablets invade os lençóis. Últimas mensagens nas redes sociais, vídeos e músicas. Adormecemos. Não chorámos durante a noite. Algo que por vezes acontece. “No ano passado, um não estava preparado, regressou a casa e este ano está de volta”, exemplifica Filipe Alves.

São 07h00. Hora de despertar. Dormimos com as estrelas do Seixal. Chegou ao fim a estadia. Pequeno-almoço servido, idas para a escola e idas para treinos. Uns saem, outros entram. Tudo se repete, como no início do artigo. Nós, regressámos a casa.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.