A tocha, apresentada na semana passada, reúne vários elementos da cultura japonesa. Inspirada na tão celebrada flor japonesa, com cinco cilindros que terminam em forma de pétala e de cor rosada, o objeto é também símbolo de reconstrução e de esperança.

Por esse motivo, a tocha olímpica será acesa em Fukushima, região devastada depois de um tsunami e de um desastre nuclear em 2011. Pela mesma razão, o conceito por detrás do design é  “Hope lights our way” ou, em tradução livre, “a esperança ilumina o nosso caminho”.

No mesmo sentido, o objeto presta homenagem aos esforços heróicos daqueles que tiveram de construir a sua vida depois da tragédia — cerca de 30% da tocha (que tem cerca de 71 cm e pela 1,2 kg) foi feita a partir de alumínio reciclado, utilizado nas habitações temporárias construídas para apoiar a população à data.

"As flores de cerejeira desenhadas pelas crianças nas zonas atingidas pelo desastre inspiraram-me", disse o designer Tokujin Yoshioka.

créditos: CHARLY TRIBALLEAU / AFP

Depois de acesa, a 26 de março de 2020, a tocha vai passar pela ilha tropical de Okinawa, de onde partiu nos Jogos Olímpicos de 1964. Prevê-se a chegada à capital japonesa, destino final, a 10 de julho.

A rota foi aprovada pelos membros do Comité Olímpico japonês numa reunião com representantes do governo nipónico. "Faz todo o sentido que esta chama, símbolo da reconstrução, passe por todo o Japão, a começar por Fukushima", declarou a governante de Tóquio, Yuriko Koike.

Acender a tocha olímpica em Fukushima "reflete o desejo de que os próximos Jogos Olímpicos sejam de cura e resiliência", acrescentou Masayoshi Yoshino, ministro da Reconstrução japonês.

No dia 11 de março de 2011, um sismo de magnitude 9,1, seguido de um 'tsunami', danificou de forma grave a central nuclear de Fukushima, provocando o mais grave acidente nuclear desde Chernobil, em 1986. A destruição de quatro dos seis reatores da central, atingida pelo 'tsunami', obrigou à retirada de milhares de habitantes de várias localidades.

As três prefeituras mais atingidas foram Iwate, Miyagi e Fukushima.

Mais de 70 mil pessoas ainda estão deslocadas das suas comunidades originais e muitas assumem que nunca poderão regressar às suas terras. Mais de 18.500 pessoas morreram ou desapareceram em março de 2011, de acordo com as autoridades japonesas.

"Queremos que os sobreviventes do desastre sejam portadores da tocha olímpica, para dar apoio a todos nessas áreas devastadas", concluiu.

No total, a tocha deverá passar por 47 prefeituras japonesas, antes de atear a chama olímpica em Tóquio, marcando a abertura oficial dos Jogos Olímpicos, a 24 de julho de 2020.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.