Estávamos em Agosto de 2003 quando Nobby Stiles - ex-jogador do Manchester United que, a par do lendário Bobby Charlton, conseguiu juntar um título europeu de clubes ao Campeonato do Mundo de seleções, ganho pela Inglaterra em 1966 – lançou a sua autobiografia. Revela Stiles que, durante a primeira parte de um dos muitos e escaldantes jogos da sua carreira, é atingido por um objeto vindo das bancadas. “Fui até à linha lateral, retirei aquilo do braço e durante o intervalo levei uma injeção”, conta a antiga glória inglesa. Tinha sido atingido com um dardo, vulgo seta! Nobby Stiles nunca revelou abertamente o estádio em que este episódio teve lugar. Contudo, se atentarmos ao índice do livro, sob a palavra ‘Liverpool’ está a descrição “atiradores de dardos a NS”. Era já um sinal da crescente rivalidade entre os dois clubes.

'Não suporto o Liverpool, não suporto as pessoas, não suporto nada que tenha a ver com eles.' Gary Neville

Em 1894, a cidade de Manchester construiu um canal de navios que, em plena revolução industrial, permitiu a navios continuar a usar o rio Mersey, rota marítima de Liverpool, sem ter que parar na cidade. Tal facilitou as trocas comerciais que as embarcações passaram a fazer na cidade dos Red Devils mas, ao mesmo tempo, prejudicou o negócio da rota “liverpooliana”. Foi talvez aqui que esta animosidade – secular, portanto! – começou a ganhar forma. Contudo, apesar dos episódios de rivalidade comercial entre ambas as cidades (que remontam ao século XIX), os clubes sempre se respeitaram futebolisticamente.

Rivalidade Vermelha

O problema veio com a luta pelo poder. Em plena década de 60, quando o Liverpool e o United começam a lutar entre si por títulos nacionais, um certo ódio de estimação (expectável, diga-se) começa a crescer. Foram anos particularmente profícuos para o Liverpool, que dominou o futebol inglês nessa década e fez com que o Manchester United (clube, jogadores, adeptos) começasse a sentir-se ultrapassado. A “ajudar” a esta crescente rivalidade está o facto de o Liverpool (nomeadamente os seus adeptos) não a terem celebrado de forma discreta.

Até que Alex Ferguson chegou ao Manchester United. Os Red Devils passam a dominar o futebol inglês nos anos 90, a hegemonia futebolística muda de cidade e a relação com os Reds de Liverpool ganha proporções até então nunca vistas. O United ultrapassa o Liverpool em número de títulos e, a partir daí, a inimizade (e acérrima rivalidade) chegou a um ponto sem retorno.

A inexistência de qualquer transferência ‘directa’ de jogadores entre os dois clubes desde 1964 é, desde logo, um sinal da rivalidade entre os dois emblemas. Depois, são constantes as “trocas de mimos” entre adeptos através de faixas e canções, muitas delas com referências menos dignas aos desastres de Munique (acidente de aviação que vitimou parte da equipa do Manchester United) e Hillsborough (em que 96 adeptos do Liverpool perderam a vida dentro do estádio onde se disputava uma semi-final da Taça de Inglaterra contra o Nottingham Forest).

Também as guerras entre treinadores (destaque para a que Alex Ferguson travou com Kenny Dalglish) e as declarações de capitães de ambas as equipas (como Gary Neville ou Steven Gerrard), demonstrando pouco apreço pelo clube rival, contribuíram para que a rivalidade se acentuasse ao longo dos anos.

O “caso” Alan Smith e o aperto de mão

Fevereiro de 2006. O Liverpool recebe o Manchester United em Anfield Road, em mais um clássico do futebol inglês. No último minuto, Alan Smith, então jogador dos Red Devils, sofre uma arrepiante lesão, partindo a perna, após remate de John Arne Riise (jogador do Liverpool). Transportado de imediato para o hospital, existem vários relatos de que adeptos do Liverpool, na altura já a deixar o estádio, apercebendo-se de que a ambulância teria ficado retida no trânsito, aproximaram-se e decidiram atirar objetos e abanar a viatura que transportava o jogador do United. Na altura, tanto o United como o Liverpool vieram repudiar os acontecimentos mas, anos mais tarde, o próprio jogador veio negar que tal tivesse acontecido.

'Nunca troquei de camisola com nenhum jogador do United. Aquela camisola não entra em minha casa.' Steven Gerrard

Nesse jogo vieram ainda a público as queixas de adeptos do United, revoltados por alegadamente terem sido “brindados” com o arremesso de copos de papel contendo fezes, por parte de apoiantes do clube rival.

Mais recentemente, na época de 2011/12, outro dos episódios da rivalidade entre os dois clubes foi o do incidente entre Patrice Evra e Luis Suarez. Basicamente, o jogador uruguaio (agora no Barcelona) recusou-se a apertar a mão ao francês (atualmente na Juventus) no início de um jogo a contar para a Premier League. O incidente ocorreu após Suarez ter sido acusado e condenado (pagou uma multa de £40.000 e cumpriu 8 jogos de suspensão) por ofensas raciais a Evra durante o último encontro entre ambas as equipas nessa mesma época.

Quanto subirem ao relvado na próxima segunda-feira, Liverpool e Manchester United terão apenas três pontos a separá-los na classificação. Espera-se um jogo equilibrado e cheio de emoção, com duas equipas orientadas por treinadores de personalidade vincada e a precisarem desesperadamente de ser mais consistentes.

Pedro Carreira é um jovem treinador de futebol que escolheu a terra de sua majestade, Sir. Bobby Robson, para desenvolver as suas qualidades como treinador. Tendo passado por clubes como o MK Dons e o Luton Town, encontra-se neste momento a trabalhar para a Federação Inglesa de Futebol (The FA). Pode acompanhar as suas crónicas, todas as sextas, aqui no SAPO24.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.