"Sei que amanhã já não vou ter nada disto, já não vou tomar o pequeno almoço no Seixal, com os meus companheiros, não me vou equipar e treinar, mas amanhã começa uma nova carreira. Quero parar agora, agradecer a todos sem exceção, até aos meus rivais, que me fizeram crescer dentro de campo. Orgulho-me de tudo o que Deus me deu ao longo da vida, desde a infância humilde, aos primeiros toques na bola, com o meu pai, com cinco anos, até chegar a este clube, onde me tornei homem e atleta", afirmou o agora ex-jogador.

Numa cerimónia realizada em pleno relvado do Estádio da Luz, em que esteve presente toda a estrutura do futebol do Benfica, a administração da SAD, a direção do clube, o plantel benfiquista e a família do até agora futebolista, de 37 anos, Luisão agradeceu pelos 15 anos de águia ao peito, onde exercia, até hoje, as funções de 'capitão'.

"Não é fácil. Devo quase tudo ao presidente Luís Filipe Vieira, ao Benfica, à minha esposa e às minhas filhas. Olho em redor do estádio e vejo em todo o lado 'obrigado capitão', mas chegou a hora de eu dizer obrigado Benfica", transmitiu o mais titulado jogador da história dos 'encarnados', ladeado pelos 20 troféus que arrecadou na Luz.

Luisão admitiu ter refletido "muito sobre a carreira" nos últimos dias, tendo chegado à conclusão de que esta "era a melhor hora" para concluir um trajeto que começou quando tinha cinco anos e que prosseguiu ao serviço de Juventus, Cruzeiro e Benfica.

Desde que, em 23 de agosto de 2003, aterrou em Lisboa para assinar pelo Benfica, Luisão contabilizou 538 jogos e 47 golos, e conquistou seis campeonatos, três Taças de Portugal, sete Taças da Liga e quatro Supertaças. Contudo, confessou, ficou a faltar um troféu internacional.

"É uma das coisas que mais lamento, tendo em conta a grandeza do clube e o que o presidente me propôs desde que eu cheguei. Tivemos oportunidade de ganhar, em duas finais da Liga Europa, e vou lamentar isso para o resto da minha vida, porque acho que tínhamos condições para termos aqui mais um troféu", referiu.

O antigo internacional brasileiro, que deverá assumir o cargo de diretor para as relações internacionais do clube da Luz, elegeu como melhores momentos na Luz o golo apontado ao Sporting, em 2005, que deixou as 'águias' à beira do título, bem como o momento em que partiu o braço, em 2015, num dérbi com os 'leões, e que o fez renascer profissionalmente.

Já o pior momento foi quando resolveu "defender" os companheiros perante os adeptos do Benfica, quando sentia que os mesmos não estavam a apoiar a equipa: "Os adeptos ficaram chateados, mas depois voltou tudo ao normal. Vivi dias tristes quando tive de tomar essa atitude."

Luisão disse que chegou a pensar em regressar ao Brasil, sobretudo no primeiro ano na Luz, devido às dificuldades que estava a sentir para se apresentar nas melhores condições, e admitiu "falta de experiência" na gestão de algumas propostas que lhe foram chegando ao longo dos anos.

O ex-central, que não somou qualquer minuto de utilização esta época, enalteceu ainda o grupo "fantástico" que compõe o plantel e deixou uma certeza: "Todos os que estão ali (apontando para os companheiros de equipa) e os que jogaram comigo desde o início, sem exceção, terão a porta da minha casa sempre aberta. Eles sabem disso."

Aos 37 anos, Luisão encerrou a carreira de futebolista, após 15 temporadas pelo Benfica, onde chegou no início de 2002/03, proveniente do Cruzeiro. Neste período, tornou-se no jogador com mais troféus conquistados pelo Benfica (20) e no segundo com mais jogos (538), sendo apenas superado por Nené (578).

Além dos 47 golos anotados pelas 'águias' - o primeiro dos quais na estreia, diante do Belenenses, em setembro de 2003 -, Luisão atuou 47 vezes pela seleção do Brasil, conquistando uma Copa América (2004) e duas Taças das Confederações (2005 e 2009).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.