Duas vezes campeão olímpico e duas vezes campeão do Mundo, Farah anunciou que encerra a carreira esta época, aos 34 anos, e despede-se das grandes competições no estádio em que se sagrou pela primeira vez campeão olímpico.

De origem somali, o britânico tem mantido 'em sentido' nestes últimos cinco anos as sucessivas 'armadas' da Etiópia e Quénia e ainda os representantes dos Estados Unidos, país que aposta cada vez mais em africanos naturalizados.

Serão 25 na linha de partida, depois da desistência de última hora do norte-americano Galen Rupp, o vice-campeão olímpico de 2012. Não haverá, pela primeira vez, europeus de origem, já que o turco Polat Arikan também nasceu em África, no Quénia.

Numa corrida em que todo o estádio estará por Farah, o campeão terá na pista todos contra ele e por certo enfrentará as movimentações táticas da Etiópia (de Abadi Hadis, o líder do ano) e do Quénia (de Geoffrey Kamworor e Paul Tanui, prata no Mundial de há dois anos e no Rio2016, respetivamente).

O dia marca também a entrada em cena do outro grande nome do atletismo masculino da atualidade, Usain Bolt, que corre as eliminatórias de 100 metros, prova que tem as meias-finais e finais agendadas para sábado.

Para o campeoníssimo jamaicano, bem como para os seus maiores rivais, esta ronda será certamente muito acessível, já a pensar nos grandes embates do dia seguinte.

Um português estará na linha de partida, David Lima, e com justificadas ambições de chegar às meias-finais, atendendo à magnífica época que tem feito, baixando o recorde pessoal para 10,05 segundos.

Melhor, em termos de portugueses, só Francis Obikwelu, que na final olímpica de Atenas2004 fixou o recorde europeu em 9,86 segundos.

Agora em Londres, Lima tem a 15.ª marca entre os inscritos, o que deixa margem para acreditar que garantir o direito a correr entre os melhores no dia seguinte não é 'miragem'.

Mais difícil é o trabalho pedido a Marta Pen Freitas, numa das eliminatórias de 1.500 metros.

Em cada uma das três séries passam para a ronda seguinte as seis mais rápidas, havendo mais seis repescadas, para perfazer o total de 24.

Na série de Marta Pen, a segunda, a portuguesa é a 10.ª mais rápida (4.05,71), pelo que o seu objetivo parece ser lutar por um bom lugar que ainda lhe permita a repescagem por tempos.

Destaque para as duas 'sub 4.00', a etíope Gudaf Tsegay, de 20 anos (3.59,55), e a holandesa Sifan Hassan (3.56,05), bronze há dois anos.

 4 agosto (sexta-feira)

Provas com portugueses

19:35, 1.500 metros (F), eliminatórias, com Marta Pen Freitas

20:20, 100 metros (M), eliminatórias, com David Lima

Finais do dia -

21:20, 10.000 metros (Masculinos)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.