No caso da Premier League regressar, como foi apoiado pelo próprio governo, Mark Roberts, o número dois da polícia em Inglaterra, diz que deverá ser jogada em estádios neutros, sem público e que, caso os adeptos não respeitem a proibição de ajuntamentos nas imediações dos estádios, deve ser abortada de imediato. Um possível retorno será, no mínimo, incerto e instável.

Como referido, os clubes participantes na Premier League encontrar-se-ão numa reunião intitulada de Project Restart [Projeto Reiniciar]. Nela serão discutidos vários assuntos, todos relacionados com o momento atual. No centro da discussão estará, já se sabe, a localização de algumas partidas.

O problema é simples: os jogos, na sua totalidade, não se vão poder realizar nos estádios onde originalmente estavam planeados, uma vez que se teme o ajuntamento de pessoas em seu redor e, se tal acontecesse em zonas/cidades onde os serviços de saúde já estão com dificuldades de resposta ao covid-19, a pressão dos órgãos de soberania seria, compreensivamente, enorme.

Com expectável medida, já existem clubes, como o Brighton, pela voz do seu diretor executivo Paul Barber, que vieram a público demonstrar a sua preocupação, acrescentando que se os jogos não se disputarem nos estádios originais, é mais uma "imperfeição" a juntar à imperfeição de se jogar sem público. De lembrar que o Brighton & Hove Albion se encontra, neste momento, na décima quinta posição da tabela, a apenas dois pontos dos lugares de despromoção.

A natural e compreensível preocupação de uns, a juntar aos interesses de outros, irá dificultar imenso a vida aos clubes que, como Liverpool, querem jogar para ser campeão ou como o Bournemouth, Aston Villa e Norwich que querem jogar para tentar evitar a descida de divisão. Sem contar com os que quererão lutar pelo acesso a lugares europeus e que querem ver a época chegar ao fim, com todos os jogos realizados.

Ajuntamentos

Paremos para pensar por um momento num pequeno cenário: qual será a reação dos adeptos do Liverpool quando se sagrarem oficialmente campeões depois de 30 anos? Estarão reunidas as condições de segurança? Por muito que se queira acreditar que tudo correrá bem, se no momento de escrita deste artigo começam a colocar-se cada vez mais perguntas sobre o estado dos níveis de paciência da população, com o passar das semanas, o acumular de tensão, as temperaturas a subir, e o Liverpool finalmente campeão? Qual será o desfecho?

O Mayor de Liverpool, Joe Andersson é o primeiro a dizer que as pessoas dificilmente respeitarão as instruções do governo e da polícia e, quer o Liverpool seja campeão em casa, fora ou em campo neutro, os adeptos vão juntar-se à volta de Anfield Road. Para Andersson é simples: "O Liverpool venceu claramente a liga, deve ser coroado campeão, mas a Premier League deve acabar agora".

Negligência

A outra razão para alguns clubes estarem de pé atrás, no que toca ao reinício da Premier League, é o facto de poderem estar a abrir, eles próprios, um caminho para que os jogadores, que possam ficar doentes no seguimento dos jogos, abram processos contra os clubes por negligência. Como qualquer outra entidade patronal, os clubes têm o dever de proteger o bem-estar dos seus trabalhadores. Por muito que a maioria dos jogadores até possa estar com imensa vontade de voltar a jogar, não será difícil imaginar que grande parte, assim como qualquer um de nós, esteja com receio da situação e de, eventualmente, acabar por ser infetado. Qualquer desporto de contacto terá os mesmos problemas de agora em diante.

Testes

O teste regular de todos os intervenientes será uma prioridade. Todos os custos já foram assumidos pela Premier League e só resta saber um pequeno pormenor. Haverá testes suficientes para que a liga inglesa tenha acesso aos números de que precisa sem que isso afete o número de que o Serviço Nacional de Saúde inglês necessita?

Apesar do reinicio estar previsto para meados de junho, os clubes terão que começar a treinar em breve, muito em breve mesmo, estando alguns complexos de treino já abertos, só à espera de jogadores e equipas técnicas, cujo alguns rumores apontam para a semana que vem. Terá a Premier League estes testes disponíveis em breve? Durante o período de treino das equipas? Se, por ventura, um surto acontecer num ou mais clubes, o que acontecerá aos jogos desse mesmo clube? Terminará a liga de forma abrupta então?

Todas estas questões são válidas. Não só válidas como nenhuma poderá ser respondida na totalidade ou com certeza absoluta. Assim sendo, e olhando às mesmas, terão os clubes condições de terminar a temporada? Já muito se falou no binómio 'saúde-pública vs. economia' e nessa matéria também ninguém consegue dar certezas do que irá acontecer. Qual é o equilíbrio necessário para evitar que ambas sofram demasiado, uma vez que ambas dependem uma da outra?

Tempos muito incertos esperam o futebol inglês e resta-nos acompanhar as decisões e consequências das mesmas, sem poder dizer ao certo o que irá acontecer.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.