No final de agosto, houve um verdadeiro motim na seleção feminina de futebol espanhola. Cansadas da metodologia e gestão de grupo do selecionador Jorge Vilda, uma grande parte das jogadores, lideradas pela capitã Irene Paredes, exigiu a sua saída. A federação do país vizinho, contudo, não acedeu à pressão das futebolistas.

Quase um mês depois, surgiu nova bomba. Quinta-feira 15 futebolistas renunciaram à seleção, através de um e-mail, onde salientam que só admitem regressar se Jorge Vilda sair.

Para já, e tal como em agosto, a RFEF não admite tal cenário. “A RFEF não vai permitir que as jogadoras questionem a continuidade do selecionador nacional e da sua equipa técnica, visto que tal decisão não é da sua competência”, salienta a federação em comunicado, deixando um aviso sério a quem renunciou. “As jogadoras que apresentaram hoje a sua renúncia à seleção, só poderão a ela regressar no futuro se assumirem o seu erro e se pedirem desculpa”.

Refira-se que o nome de todas as 15 jogadoras ainda não foi revelado, mas alguma imprensa espanhola salienta, por exemplo, que neste grupo não está nenhuma jogadora do Real Madrid e nem aquela que é considerada a melhor jogador do mundo, Alexia Putellas, que representa o Barcelona.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.