“Às 09:30, decidimos que estavam reunidas as condições para manter a etapa original”, declarou Joaquim Gomes à agência Lusa, indicando, contudo, que, “durante a madrugada, houve um grande esforço para encontrar um percurso alternativo”.

O incêndio que lavra na localidade de Garrocho, na Covilhã, distrito de Castelo Branco, empenhava 231 operacionais e 67 meios terrestres, cerca das 21:15 de sábado, segundo dados da Proteção Civil.

De acordo com a página oficial da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), no combate ao incêndio de Garrocho, ativo desde as 03:18 de sábado, chegaram a estar 11 meios aéreos, que, entretanto, se retiraram por não poderem atuar durante a noite.

O diretor da Volta a Portugal destacou ainda a “estreita colaboração com o comandante distrital da Proteção Civil de Castelo Branco, com a unidade de GNR de Montanha e com o comandante do Destacamento de Trânsito Eventual” que permitiu que a terceira etapa mantenha o traçado inicial.

A partida para a terceira etapa é dada às 13:00, com o pelotão a sair da Sertã para os 159 quilómetros da ligação à Torre.

A meta, coincidente com um prémio de montanha de categoria especial, será alcançada pela vertente que muitos consideram a mais exigente da Serra da Estrela, a das Penhas da Saúde, com o primeiro classificado no ponto mais alto de Portugal continental (1.993 metros) a ser esperado por volta das 17:25.

O camisola amarela Rafael Reis (Glassdrive-Q8-Anicolor) tem apenas nove segundos de vantagem para o segundo classificado, o seu companheiro de equipa Mauricio Moreira, e para o terceiro, o britânico Oliver Rees (Trinity Racing).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.