"A Caixa não voltará a ter uma injeção de dinheiro público, e não voltará porque não precisa, não voltará também porque não pode, no quadro daquilo que é a sua gestão", referiu Ricardo Mourinho Félix na sua intervenção durante a comissão.

Ricardo Mourinho Félix disse, sobre a recapitalização da Caixa em 2016, de quase cinco mil milhões de euros, que foi um processo "único ao nível europeu, que permitiu que a Caixa hoje se mantenha um banco 100% público, que fique muito claro".

O secretário de Estado, questionado pelos deputados sobre a independência da CGD, esclareceu que "a Caixa não é independente, tem uma indicação estratégica, tem é uma independência operacional, e executa a nível operacional as indicações estratégicas do acionista", o Estado.

"Não lhe cabe, não pode, não deve, não dará o acionista a indicação de fazer a operação A ou B", declarou, acrescentando que "foi isso que no passado levou a Caixa a prejuízos, foi isso que levou a Caixa a que tivesse que ter uma injeção de capital de uma magnitude que foi aquela que conhecemos".

Ricardo Mourinho Félix assinalou que agora a CGD é uma instituição "lucrativa, viável e que prossegue fins que outros bancos não prosseguem", referindo-se ao papel público do banco.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.