Azevedo, de 62 anos, vai deixar a liderança da OMC num momento crítico da organização por causa do bloqueio do seu principal mecanismo de resolução de conflitos, paralisado desde dezembro devido à recusa dos Estados Unidos em designar novos juízes.

O diretor-geral da OMC afirmou hoje que não tem ambições políticas e que a sua decisão de deixar as funções é pessoal e familiar.

“Trata-se de uma decisão pessoal — uma decisão familiar — e estou convencido que esta decisão serve melhor os interesses da organização”, declarou numa reunião por videoconferência com membros da OMC.

“Não tenho planos políticos”, assegurou, quando alguns lhe atribuem o desejo de se candidatar nas presidenciais brasileiras de 2022, segundo a Agência France-Presse.

Diplomata de carreira, Roberto Azevedo assumiu a liderança da OMC em 2013 sucedendo ao francês Pascal Lamy e iniciou em setembro de 2017 um segundo mandato de quatro anos, que deveria terminar no final de agosto de 2021.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.