Num comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários do Brasil, a Oi indica que se reuniu na sexta-feira à noite, após a renúncia de Marco Schroeder nesse dia, para deliberar sobre o seu sucessor.

Eurico de Jesus Teles Neto foi, então, escolhido pela administração da Oi para “acumular interinamente as suas funções de diretor jurídico com as de presidente da companhia”, de acordo com a nota.

“A designação do substituto para o cargo de presidente ocorreu em linha com o que prevê o estatuto social, tendo ele sido indicado pela diretoria até que o Conselho de Administração da companhia delibere a respeito do tema”, acrescenta a operadora brasileira.

Marco Schroeder demitiu-se na sexta-feira do cargo que ocupava na operadora de telecomunicações brasileira, que está em negociações com os credores com vista a um processo de recuperação.

A informação, avançada pela agência Bloomberg, foi confirmada à Lusa pela Pharol, com fonte oficial a indicar apenas que teve “conhecimento da apresentação da renúncia ao cargo” de Marco Schroeder, sem avançar os motivos que levaram à demissão.

A Pharol (antiga ex PT SGPS) é a principal acionista da Oi, com cerca de 27% da operadora brasileira, segundo adiantou fonte oficial.

Marco Schroeder assumiu a presidência executiva da Oi em junho de 2016, dias antes de a empresa de telecomunicações ter apresentado um pedido de recuperação judicial devido à elevada dívida.

Nos últimos meses, Schroeder vinha negociando com os credores da Oi e com o Governo brasileiro o plano de reestruturação da empresa, isto quando se aproxima a data da assembleia de credores, marcada em primeira convocatória para 07 de dezembro.

Esta semana foi dado mais um passo na elaboração de propostas para a recuperação da Oi, com o Conselho de Administração da empresa a aprovar as alterações ao plano de recuperação da operadora e das suas subsidiárias, tendo em vista um consenso no processo de recuperação.

O plano prevê diminuir o montante da dívida da empresa, que ronda os 65,4 mil milhões de reais (17 mil milhões de euros), por um aumento de capital através de conversão de dívida.

Este plano de recuperação da Oi deverá ser discutido na assembleia-geral de credores da empresa, de 07 de dezembro.

Entre os credores da Oi está a Agência Nacional de Telecomunicações.

A Oi teve lucros oito milhões de reais (dois milhões de euros), incluindo a operação no Brasil e negócios internacionais, no terceiro trimestre.

Já a dívida consolidada somou 51,8 mil milhões de reais (13,5 mil milhões de euros).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.