"A fileira florestal, do ponto de vista económico, é um dos setores mais importantes do país. Representa 1,2% do PIB e 10% das exportações de bens da nossa economia. Além disso, tem um altíssimo valor acrescentado. Por cada euro que exportamos, geramos mais de 70% de valor acrescentado nacional", afirmou João Ferreira do Amaral.

Este responsável falava em Castelo Branco num seminário sobre "Floresta - Prevenção, a Segurança de Todos e de cada um", promovido pelo município local.

Apesar da importância económica, social e ambiental da fileira, João Ferreira do Amaral disse que as pessoas continuam a olhar para a floresta como sendo um "foco de incêndios".

"Ao nível do valor social, tem um impacto muito grande no emprego, com 70 mil postos de trabalho diretos. Mais importante ainda é ser dos poucos setores que tem a ver com a atividade no interior do país. É um setor que irá sempre beneficiar o interior", frisou.

João Ferreira do Amaral sublinhou ainda que a floresta em Portugal não tem um "passado muito inspirador", sobretudo, devido às décadas de desleixo.

"Coisas básicas que se esperava que o Estado assegurasse e que foram desleixadas durante décadas, como é o caso do cadastro. Mas, depois da tragédia de 2017, houve de facto uma mudança. Nota-se uma certa mobilização em relação às questões da floresta", frisou.

Contudo, realçou que é necessário romper com alguns ciclos viciosos que afetam a floresta, como a falta de investimento e o ordenamento do território.

"O caminho existe. O importante é que todos os anos se vá melhorando. É altura de encarar seriamente as atividades da fileira florestal como uma atividade fundamental para o país", concluiu.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.