De acordo com o jornal francófono Le Soir, o porta-voz do grupo alemão, Andreas Bartels, negou haver um plano para vender a Brussels Airlines, que voa para Portugal e Luanda, entre outros destinos.

“Esperamos conseguir chegar a um acordo com o Estado belga”, declarou.

O grupo Lufthansa não exclui, no entanto, a possibilidade de falência da sua filial belga se não for conseguido um acordo social com os sindicatos, noticia, por seu lado, o La Libre Belgique.

O Governo belga e a Lufthansa negoceiam há semanas uma possível ajuda de Estado à Brussels Airlines, sob a forma de um financiamento no valor de 300 milhões de euros.

De acordo com a imprensa belga, está prevista para hoje mais uma ronda negocial.

Os pilotos têm-se oposto ao acordo proposto — que prevê a redução de quase 1.000 dos seus 4.000 funcionários — classificando algumas das propostas da administração como intragáveis.

Para Portugal, a Brussels Airlines voa para Lisboa, Porto e Faro, e é parceira da TAP na rede Star Alliance, realizando voos em ‘codeshare’.

A companhia belga voa de Bruxelas para mais de 70 destinos na Europa, África (incluindo Luanda), e ainda Nova Iorque e Washington, nos Estados Unidos da América.

A Brussels Airlines interrompeu a atividade em 21 de março, tendo na segunda-feira começado a retomar progressivamente os voos.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 450 mil mortos e infetou mais de 8,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.